Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 26 de Novembro de 2021

Sidrolandia

Advogado comunica Ministro da Justiça sobre nova invasão em MS

Uma comunicação foi encaminhada ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, requerendo providências.

Famasul

22 de Agosto de 2013 - 07:16

A fazenda Limoeiro do produtor rural, Rovilson Alves Corrêa, foi invadida por indígenas de etnia Kadiwéu pela segunda em menos de dois anos. De acordo com o advogado do produtor, Carlos Fernando de Souza, cerca de 120 indígenas entraram na propriedade, localizada no município de Corumbá, na noite desta terça-feira (20), e renderam quatro seguranças. Uma comunicação foi encaminhada ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, requerendo providências.

Segundo Souza, os indígenas invadiram a propriedade montados a cavalo, amarraram quatro seguranças e outros dois conseguiram fugir. Os profissionais que faziam a guarda da propriedade são contratados por uma empresa de Dourados, que já registrou boletim de ocorrência na Polícia Federal, alegando lesão corporal.

Os seguranças já faziam ronda na propriedade devido a invasão ocorrida em março de 2011, quando o advogado do produtor rural entrou com pedido de reintegração de posse na 2ª Vara Federal de Campo Grande e teve a solicitação atendida no mês de outubro do ano passado.

A família do produtor rural não estava na propriedade no momento da invasão. De acordo com o advogado, os indígenas levaram duas motos e quatro revólveres dos seguranças que estavam na propriedade. O roubo e a invasão foram registrados em boletim de ocorrência na delegacia de Miranda.

Na Justiça, Souza já comprovou a legalidade da fazenda Limoeiro, propriedade da família de Rovilson Alves Corrêa desde a década de 60. Devido à nova invasão, um novo pedido de reintegração de posse será anexado ao processo.

“A ação demonstra que os indígenas descumpriram acordo com o ministro José Eduardo Cardozo, quando afirmaram que não haveria novas invasões até o desfecho das negociações de compra no Estado”, ressaltou Souza. Também lembrou que o acordo prevê que as propriedades invadidas serão desconsideradas para a compra.

Com a invasão à fazenda Limoeiro, somam 67 as propriedades privadas invadidas por indígenas em Mato Grosso do Sul, de acordo com o levantamento da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul).