Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Aluno agradece investimento do Estado em máquinas de escrever em braille

Noticias MS

16 de Dezembro de 2010 - 15:28

O aluno cego Getúlio Valentim Assunção, de 60 anos, fez questão de utilizar a máquina de escrita em braille que usa durante as aulas da Educação de Jovens e Adultos (EJA), na Escola estadual Senador Filinto Muller, no município de Fátima do Sul, para escrever uma carta de agradecimento ao governador André Puccinelli.

O aluno comemora a chegada de quatro máquinas de escrita em braille na escola, resultado de um pedido especial feito ao governador. “Quando o governador visitou a escola para a entrega dos kits escolares, o aluno entregou uma carta com um pedido de uma máquina.

 Ele leu e na hora autorizou. Depois o aluno escreveu outra carta ao governador solicitando máquinas para os colegas que entraram na escola e então no mês de setembro recebemos quatro máquinas de escrita em braille”, explicou Francisca Gomes Cabral, técnica do Núcleo de Educação Especial daquela unidade.

“...Fiquei sabendo que o senhor autorizou a compra das máquinas imediatamente e hoje já contamos com elas em nossa sala de aula o que para mim e meus colegas está sendo ótimo...”, diz um trecho da carta escrita em braille pelo aluno Getulio Valentim Assunção.

De acordo com a técnica, as máquinas atendem os quatro alunos cegos da escola que têm matriculados também outros dois alunos de baixa visão. Na carta escrita em braille, o aluno agradece as máquinas e revela ao governador que está escrevendo a história de vida dele. Getúlio Valentim Assunção frequenta as aulas da segunda fase do EJA do ensino fundamental, no período noturno. “Ele já está aprovado para a terceira fase do EJA. É um aluno muito esforçado e é um exemplo de superação. A cegueira não é um empecilho para ele”, ressalta Francisca.

Francisca Gomes Cabral diz que o aluno foi o primeiro a se matricular na escola com a abertura da sala de recursos para estudantes com deficiência visual há cerca de quatro anos. “Aos 27 anos, Getúlio teve glaucoma e sem condições para se tratar perdeu a visão. Na escola, ele foi alfabetizado, aprendeu a ler e a escrever. Sem saber assinar, antes utilizava as impressões digitais nos documentos. O sonho dele era aprender a assinar o nome”, conta.

A técnica do Núcleo de Educação Especial da escola explica que a chegada das máquinas na escola facilitou as aulas dos alunos na sala comum e de recurso. “Os alunos levam as máquinas para as salas comuns e acompanham as matérias que o professor vai explicando. É mais rápido, economiza tempo”, comenta.

Investimentos

A Secretaria de Estado de Educação (SED) enviou no mês de novembro 49 máquinas de escrita em braille que irão facilitar o registro didático dos alunos. As máquinas beneficiam todos os alunos com deficiência visual matriculados na Rede Estadual de Ensino.

 De acordo com a coordenadora de Educação Especial da SED, Vera Carbonari, além de facilitar o registro do conteúdo do estudante, a máquina de escrever em braille oferece mais acessibilidade ao aluno. “Com essas máquinas nós oferecemos igualdade e oportunidade de acompanhar o ritmo dos outros alunos”, explica Vera.

O equipamento proporciona maior rapidez e acompanhamento dos alunos durante as aulas. A máquina de escrita em braille permite ao aluno escrever 20 vezes mais rápido do que o reglete - instrumento usado anteriormente como guia para que a pessoa com deficiência visual gravasse em uma folha de papel,  ponto por ponto, com o auxílio de uma punção.

A máquina foi enviada para 39 escolas estaduais de 28 municípios: Antônio João, Anastácio, Bataguassu, Bela Vista, Caarapó, Campo Grande, Cassilândia, Corumbá, Costa Rica, Douradina, Dourados, Fátima do Sul, Glória de Dourados, Iguatemi, Itaquiraí, Juti, Mundo Novo, Nova Andradina, Novo Horizonte do Sul, Paranaíba, Ponta Porã, Ribas do Rio Pardo, Rio Brilhante, Rio Negro, Sete Quedas, Sidrolândia, Terenos e Três Lagoas.