Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 2 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Ana Lídia Ascoli pede exoneração e enfermeira Leila Couto assume Secretaria de Saúde dia 1º

Não foi a primeira vez que a secretária pediu para deixar o cargo que ocupa desde janeiro, quando o vereador Ilson Peres tomou posse como prefeito interino.

Flávio Paes/Região News

30 de Julho de 2013 - 19:31

Foto: Emmileny Monteiro/Região News

Ana Lídia Ascoli pede exoneração e enfermeira Leila Couto assume Secretaria de Saúde dia 1º

Vice prefeito de Sidrolândia Dr. Marcelo Ascoli durante entrevista ao Região News acompanhado da esposa, Ana Lídia Ascoli que deixa a Secretaria de Saúde.

A enfermeira Ana Lídia Ascoli, esposa do vice-prefeito, Marcelo Ascoli, enviou oficio ao prefeito Ari Basso, pedindo demissão do cargo em caráter irrevogável. Ela permanece no cargo até a próxima quinta-feira, dia 1º de agosto, quando será substituída pela também enfermeira, Leila Couto, que atualmente é a sua principal assessora, além de atuar no comando da Vigilância Sanitária.

Não foi a primeira vez que a secretária pediu para deixar o cargo que ocupa desde janeiro, quando o vereador Ilson Peres tomou posse como prefeito interino. “Ela vinha manifestando interesse em deixar o cargo, mas sempre ponderei para permanecer mais algum tempo. Agora, não houve outra alternativa, a não ser aceitar”, admite o prefeito.

Na avaliação de Ari Basso, como a futura secretária era o braço direto de Ana Lídia, não haverá prejuízo nas atividades da Secretaria. “A Leila é uma funcionária de carreira da saúde e conhece como ninguém o seu funcionamento”, acredita o prefeito. Durante a entrevista por telefone, Basso atribuiu o fato as dificuldades financeiras do município  que travam mais investimentos em serviços prioritários como a saúde e educação, “as pressões acabam sendo muito grandes sobre os responsáveis pela área”, ressalta.

A secretária Ana Lídia Ascoli, segundo informações de bastidores, se queixava da falta de recursos, embora pelas contas de setores influentes da administração municipal, a Saúde  estivesse comprometendo 27% da receita líquida. Em entrevista ao Região News  a secretária contestou este número, garantindo que a Saúde hoje compromete 19% da receita, bem acima dos 15% exigidos por lei.

O excesso de funcionários afastados do serviço com atestados médicos (que oneram em R$ 98 mil por mês a folha da saúde) seriam um dos fatores do estrangulamento financeiro do setor. “É complicado administrar sem dinheiro. A cobrança da população é muito grande”, destaca  o prefeito.

A nova secretária de Saúde, Leila Couto, é esposa do ex-vereador Renato Couto, médico concursado. No processo de montagem da equipe de Governo do então prefeito eleito, Enelvo Felini, o nome de Leila era apontado como um dos favoritos para comandar a Secretaria, como parte do acordo  que garantiu o apoio do médico ao candidato do PSDB, embora ele seja filiado ao PR,  partido que esteve no palanque do candidato do PMDB.