Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Antigo Sidrônio deverá abrigar alunos do Pedro Aleixo, mesmo sob risco

População da parte alta da cidade também reclama da falta de manutenção da Escola Municipal Natalia Moraes de Oliveira

Marcos Tomé/Região News

31 de Janeiro de 2011 - 10:46

Antigo Sidrônio deverá abrigar alunos do Pedro Aleixo, mesmo sob risco
Antiga Escola Sidr - Foto: Marcos Tom

A nova escola Sidrônio Antunes de Andrade, construída em uma área de 8.435 metros quadrados/> e com capacidade para abrir cerca de 1.300 alunos, será inaugurada na próxima terça-feira (8). Comemorada como uma das maiores conquistas do setor educacional da última década, o novo Sidrônio começa o ano letivo com o status de maior Escola Estadual construída pelo atual governo no interior do Mato Grosso do Sul.

Ao mesmo tempo em que se comemora a conquista das novas e modernas instalações da referida unidade escolar, por outro lado, a educação da rede municipal de ensino tem deixado a desejar. Escolas com prédios deteriorados por falta de manutenção, carteiras e cadeiras sem condições de uso, professores lecionado de forma precária, salas com infiltrações nas paredes e estrutura comprometidas.

Verdadeiro caso de abandono com a educação pública municipal. Uma das maiores escolas sob a responsabilidade do município, Olinda Brito de Souza, localizada em uma área considerada nobre da cidade, o que se vê são paredes sujas, reboco caindo, pintura descascada e banheiros com problemas.

Como se não bastasse, a rumores de que o antigo prédio da Escola Sidrônio, localizado ao lado de um Posto de Combustível no centro da cidade, irá abrigar uma extensão da Escola Municipal Pedro Aleixo. Um dos argumentos usados para sensibilizar o governo do estado para se construir à nova escola, foi justamente o fato da proximidade com o posto de combustível, fator de risco por abrigar centenas de alunos.

.

Foto: Marcos Tomé/Região News

Foto: Marcos Tomé/Região News

Pais e mestres sempre enfatizaram o descontentamento com falta de espaço, infra-estrutura e a proximidade com o local que contém produtos inflamáveis. Mesmo sabendo dos riscos, a Secretaria Municipal de Educação do Município parece estar determinada a implantar no antigo prédio, uma extensão da escola Pedro Aleixo.

Outro fato que chama a atenção é o estado de conservação do referido prédio. Com a construção do novo prédio, o antigo, passou a não receber investimentos de reformas e melhorias, como o que aconteceu com a Escola Catarina de Abreu no Bairro São Bento, que foi totalmente reformado pelo governo do estado.

População da parte alta da cidade também reclama da falta de manutenção da Escola Municipal Natalia Moraes de Oliveira, localizada nas imediações do Jardim do Sul/Santa Marta. É visível a má conservação das instalações da escola. Alunos relataram que em dias de chuva era comum se reunirem em um canto da sala para escapar da água que cai do teto.

Nossa reportagem entrou em contato com a Secretária de Educação do município, Rosangela Cassola, porém, a mesma informou que somente o setor de comunicação da Prefeitura estava autorizado a falar sobre o caso. Insistimos nos questionamentos sobre o assunto, mas a reportagem não obteve êxito.