Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 5 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Apae espera que Prefeitura faça repasse até dia 10 para pagar salário de funcionários

A Apae tem hoje 156 alunos e há uma fila de espera de 35 crianças com necessidades especiais que precisam de atendimento do CAMS.

Flávio Paes/Região News

04 de Setembro de 2013 - 14:10

Sem receber os repasses da Prefeitura desde abril, a APAE (Associação dos Pais e Amigos e Excepcionais) de Sidrolândia está sem dinheiro para pagar os salários dos funcionários. Dirigentes da entidade estiveram na semana passada com o prefeito Ari Basso que assumiu o compromisso de liberar até o dia 10 a primeira das cinco parcelas de R$ 58.213,73 em atraso, normalizar os pagamentos a partir de outubro e todo mês quitar 50% de uma parcela atrasada. Há um montante acumulado de R$ 291 mil que deixaram de ser repassados.

Segundo o presidente da APAE, Lindomar Bett, mesmo sem estes repasses regulares da Prefeitura, a entidade até aqui conseguiu manter os compromissos financeiros em dia com as reservas de caixa formadas com  a receita de doações, de promoções e da venda de cabeças de gado doadas para a 17ª edição “Mais Amor e Compreensão” realizada no último dia 06 de julho.

A intenção era usar estes recursos para compra de um ônibus adaptado para o transporte dos alunos. “Obtivemos do Governo do Estado R$ 93 mil de recursos do Fundeb para compra do veículo. Precisamos até dia 31 de dezembro de recursos da contrapartida, custear a instalação dos equipamentos de acessibilidade, além da documentação. Se não conseguirmos, a verba será devolvida”, comenta Lindomar. Elé está previamente preocupado com o pagamento do 13º e da indenização de férias dos funcionários. “Sempre tivemos uma reserva para atender estas situações. Hoje estamos zerados”, complementa.  

A Apae tem hoje 156 alunos e há uma fila de espera de 35 crianças com necessidades especiais que precisam de atendimento do CAMS (Complexo de Atendimento Multidisciplinar de Saúde) com fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas-ocupacionais, psicólogos. A entidade tem um custo mensal de R$ 80 mil, sendo R$ 34 mil só com a folha de pagamento, além do provisionamento de R$ 7 mil por mês para assegurar o 13º. 

Do repasse feito pela Prefeitura, R$ 25 mil são recursos do SUS e R$ 33 mil são recursos do município. Neste ano, a entidade já recebeu R$ 174.641,19 referentes aos meses de janeiro, fevereiro e março, além de R$ 101.649,80 (pagos em duas parcelas, em janeiro e fevereiro), saldos de 2012 que o ex-prefeito Daltro Fiuza não pagou.

Na última sessão da Câmara, o vereador Nélio Paim (PR), contestou a alegação da administração municipal de que está atrasando os repasses de entidades filantrópicas em função das dificuldades financeiras enfrentadas pela Prefeitura. “Na minha avaliação, mais do que a falta de recursos, em oito meses de gestão, houve muitos equívocos na hora de definir as prioridades de aplicar o dinheiro”.

Foto: Marcos Tomé/Região News

Apae espera que Prefeitura faça repasse até dia 10 para pagar salário de funcionários

Nelinho, pesquisando no portal da transparência, constatou, por exemplo, que a Prefeitura gastou R$ 7.990,00, na compra de ovos de páscoa;  R$ 2.500,00 com maquiagem e cabeleireiro das participantes do concurso Miss Terceira idade; adquiriu R$ 5 mil em pandanas usadas para confecção de fantasias para o Carnaval no PETT; R$ 7,9 mil para aquisição de bolas para a Secretaria da Juventude, Esporte e Lazer, dentre “outras despesas perfeitamente adiáveis”. 

O prefeito Ari Basso garante que vai normalizar os pagamentos, que medidas para conter despesas irão continuar. “Não tenho preocupação política futura, razão pela qual, continuaremos a promover os ajustes necessários para a boa aplicação dos recursos públicos. Desde que assumimos este governo temos priorizado algumas ações, muito em breve, sairemos do vermelho e as finanças terá saúde para cumprirmos a risca nossas obrigações”, comenta.