Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 22 de Janeiro de 2021

Sidrolandia

Apicultura deve ser referência econômica de MS em até 10 anos

O investimento em um conjunto de alta produtividade custa em média R$ 500”, relata Bijos, que calcula o retorno dos investimentos depois de 1,5 a 3,5 anos.

Famasul

11 de Abril de 2014 - 10:43

A apicultura deixou de ser uma atividade de fundo de quintal e se fortificou no agronegócio de Mato Grosso do Sul e nos próximos dez anos, a atividade deve ser referência econômica no Estado.

A afirmação é do médico veterinário e instrutor do Senar/MS – Sistema Famasul (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de MS), Gustavo Nadeu Bijos, que ministra dos dias 14 a 16 de abril o curso de Apicultura Básica, oferecido pela entidade no município de Glória de Dourados.

Considerada ecologicamente correta e economicamente viável, a apicultura atraiu produtores que hoje são cerca de 700 em Mato Grosso do Sul. A produção varia entre 430 e 650 toneladas de mel por ano no Estado.

“Isso é resultado de atitudes empreendedoras de produtores que hoje são bem sucedidos”, afirma Bijos, que também é presidente da Federação dos Apicultores e Meliponicultores de Mato Grosso do Sul.

Para realizar a implantação de um apiário com sucesso na propriedade, o local precisa ter fácil acesso, água potável e distância de residências, currais e estradas em um raio de 300 metros, para garantir segurança, além da diversidade de plantas rasteiras.

“O apicultor deve calcular a distância de sua residência até o apiário para avaliar a mão de obra necessária, quilometragem para manutenção e colheita”, sustenta o instrutor do Senar/MS.

Segundo médico veterinário, a vantagem da apicultura está na durabilidade do apiário, visto que uma colmeia e os cavaletes duram de cinco a dez anos e a manutenção se baseia em pequenas despesas.

“O investimento em um conjunto de alta produtividade custa em média R$ 500”, relata Bijos, que calcula o retorno dos investimentos depois de 1,5 a 3,5 anos.

O quilo do mel é vendido no Estado com valores entre R$ 5,50 e R$ 6,80 e as safras costumam ser colhidas no segundo semestre do ano. A produção pode ser comercializada  para entrepostos particulares, cooperativas e associações.

“As vendas para merenda escolar e para a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) cabe apenas aos apicultores em regime de agricultura familiar”, complementa Bijos.

O Senar/MS oferece também o curso de Apicultura Avançada, tendo como pré-requisito a capacitação de Apicultura Básica. Na semana de 14 a 17 de, a entidade oferece 56 cursos para o homem do campo.