Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 1 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Após investigações oito vereadores de Angélica podem ser cassados

Na época o funcionário do posto, no calor dos fatos, confirmou que aqueles valores de combustível dos candidatos eram para campanha dos nominados candidatos.

Ivinoticias

19 de Setembro de 2013 - 15:00

Foto: Ivinoticias

Após investigações oito vereadores de Angélica podem ser cassados

Vereadores do município de Angélica podem ter seus cargos cassados a qualquer momento, ao todo são 8 vereadores que estão sendo investigados alem de suplentes e candidatos da ultima eleição de 2012.

Estão sendo investigados em uma ação judicial eleitoral n.º 50111/2012 pelo juiz eleitoral Dr. Mário José Esbalqueiro Júnior, as seguintes pessoas Ana Aparecida Barbosa (Vereadora), Adão Correia Gonçalves, Almir Fagundes (Vereador), Aparecido Antonio da Silva, Aparecido Geraldo Rodrigues (Vereador), Emerson Cassuci Ferreira (Vereador), Francisco Manoel Veloso, Ivo Ferreira dos Santos (Vereador), José Bonin, José Juca de Lima, Luciano Silva Soares (Vereador), Lurdes Caldeira de Carvalho, Marildo Dezotti (Vereador), Moacir Benevides, Natalia Nascimento Milhorança, Neli Facincani, Nilma Lombardi Papareli, Rubens Bogaz Hernandes e Venicius Ramão Martins Domingues (Vereador) das coligações "Angélica Crescendo com Você II" e "Coragem Para Mudar".

O processo corre em segredo de justiça, as informações apuradas pelo site junto ao diário oficial do TRE-MS apenas destaca que a maioria dos envolvidos e parte da investigação que tramita no MPE é ações em que se apura compra de votos com o fornecimento de combustível aos eleitores. Foi apreendido material encontrado no cofre do posto da cidade de Angélica, em cumprimento a mandado de busca e apreensão.

Os "vales" ou relatórios gerenciais estavam separados em envelopes com o nome da cada candidato investigado, como consta da peça do MPE os valores de combustível eram sempre pequenos, alguns litros, indicativo de fornecimento excuso, os cupons estavam guardados no cofre, cada qual em envelope amarelo do Banco do Brasil, com a identificação do candidato, para controle pelo posto de combustível.

Na época o funcionário do posto, no calor dos fatos, confirmou que aqueles valores de combustível dos candidatos eram para campanha dos nominados candidatos. A investigação prossegue e o MPE pode cassar os cargos dos 8 vereadores envolvidos.