Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 15 de Agosto de 2022

Sidrolandia

Bancários devem recusar reajuste menor e entrar em greve em outubro

A categoria pede reajuste salarial de 16%, sendo 5,6% de aumento real e 9,88% referentes à perda da inflação.

FOLHAPRESS

25 de Setembro de 2015 - 15:29

Os bancários devem recusar em assembleias previstas para a próxima quinta-feira (1º) a proposta de reajuste abaixo da inflação feita pela federação dos bancos e marcar greve a partir do dia 6 de outubro.

A negociação ocorreu nesta sexta (25) com o Comando Nacional dos Bancários, que indicará a rejeição da contraproposta nas assembleias que serão realizadas em todo o país.

A proposta dos bancos prevê 5,5% de reajuste com R$ 2.500 de abono fixo. A categoria pede reajuste salarial de 16%, sendo 5,6% de aumento real e 9,88% referentes à perda da inflação.

Pelos cálculos do Sindicato dos Bancários, a "perda real de 4%" significa que um bancário que recebe o salário médio da categoria iria perder no ano R$ 1.983 em relação a uma proposta que apenas cobrisse a inflação.

Segundo Juvandia Moreira, presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo e uma das coordenadoras do comando nacional, esse foi o pior índice oferecido pelos bancos desde 2004.

São mais de 500 mil bancários no Brasil, sendo 142 mil representados pelo sindicato em São Paulo, Osasco e região.

A categoria recebeu aumento real de 20,07% no período entre 2004 e 2014. No ano passado, foram 2,02% acima da inflação.

PERDA REAL

"Perda real não é condizente com os resultados dos bancos, que tiveram lucro líquido de R$ 36,3 bilhões nos últimos seis meses. As instituições financeiras estão colocando a categoria em greve de forma irresponsável, ao mesmo tempo que cobram juros de mais de 400% no cartão de crédito, prejudicando toda a população", disse a sindicalista.

"Haverá assembleia dia 1º em todo o país e vamos indicar a rejeição da proposta. Até lá, a Fenaban tem prazo para apresentar uma proposta condizente com os ganhos bilionários dos bancos para os trabalhadores", completou.

Procurada, a federação dos bancos ainda não se pronunciou sobre as negociações e a ameaça de greve.

CAMPANHA SALARIAL

Os bancários, com data-base em setembro, entregaram a pauta de reivindicações no dia 11 de agosto.

Entre as principais reivindicações da campanha deste ano pedem:

> Reajuste Salarial de 16%, sendo 5,6% de aumento real, com inflação de 9,88% (INPC)

> Participação nos Lucros e Resultados no valor de três salários mais R$ 7.246,82 fixos

> Piso de acordo com salário mínimo do Dieese, de R$ 3.299,66

> Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá no valor do salário mínimo nacional (R$ 788);

> 14º salário

> Fim das demissões, ampliação das contratações, combate às terceirizações e à precarização das condições de trabalho

> Mais segurança nas agências bancárias