Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 25 de Novembro de 2020

Sidrolandia

Bombeiros querem 100% das casas noturnas regularizadas

Ao final de 2013, a corporação conseguiu grande avanço através de operações de fiscalização, ao atingir a marca de 75% dos estabelecimentos adequados.

Dourados Agora

15 de Janeiro de 2014 - 15:00

O Corpo de Bombeiros de Dourados trabalha para regularizar todas as boates e casas noturnas do município. Ao final de 2013, a corporação conseguiu grande avanço através de operações de fiscalização, ao atingir a marca de 75% dos estabelecimentos adequados.

Após o incêndio ocorrido na madrugada do dia 27 de janeiro do ano passado na boate Kiss, em Santa Maria (RS), o qual resultou na morte de mais de 240 pessoas, o Corpo de Bombeiros passou a concentrar esforços nos trabalhos de inspeção nas casas noturnas por todo o país, e em Dourados não foi diferente, garantiu o Capitão Torres.

“A corporação sempre fiscalizou esse tipo de ambiente, mas tragédia na Kiss trouxe grande comoção popular, chamando a atenção das autoridades. Em janeiro de 2013, quando passamos a nos concentrar mais neste tipo de serviço, havia em Dourados 24 estabelecimentos que recebem shows e eventos com aglomeração de pessoas, sendo que apenas sete deles estavam regulares. Hoje a situação é outra”, disse.

O Capitão destaca que, para 2014, a meta é promover 100% de adequação. “Iniciamos este novo ano com o mesmo número de casas noturnas, porém, hoje quase todas já se adequaram. Apenas seis ainda estão irregulares, entretanto, algumas estão em processo de adaptação, enquanto outras estão temporariamente de portas fechadas”, explicou.

Ele alega que as operações serão mantidas, sempre em busca de garantir a segurança da comunidade. “Esse é um de nossos objetivos. Continuaremos a inspecionar boates, bares, anfiteatros e todos empreendimentos do gênero. A classe empresarial precisa entender que a segurança vem em primeiro lugar, e que todo recurso financeiro destinado a este fim não pode ser encarado como um custo, mas sim como um investimento, pois previne contra graves problemas”, explicou.

Lei

Segundo o Artigo 9° da Lei Estadual 4.335 de 2013, que institui o Código de Segurança contra Incêndio, Pânico e outros Riscos, “o funcionamento de qualquer edificação, instalação, ocupação temporária ou área de risco dependerá da expedição do Certificado de Vistoria do Corpo de Bombeiros Militar”.

“A empresa que não estiver enquadrada nestas normativas estará sujeita à sanções administrativas, entre elas, multa e interrupção do funcionamento”, concluiu Torres.