Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Casais preparam-se para primeira cerimônia de união gay em MS

11 casais participarão de cerimônia coletiva no domingo (7), na capital. Mulheres falam sobre preconceito e da felicidade do sonho a ser realizado.

G1 MS

06 de Julho de 2013 - 10:25

A operadora de crédito Karine dos Santos Lemes, de 33 anos, e a promotora de vendas Flávia da Costa Fernandes, de 39 anos, se preparam para unir alianças em uma cerimônia que deve reunir outros dez casais em Campo Grande. O primeiro casamento coletivo entre pessoas do mesmo sexo, em Mato Grosso do Sul, está marcado para este domingo (7).

A ação em Mato Grosso do Sul está sendo organizada pela Defensoria Pública. Karine disse ao G1 que aguarda ainda a prova final do vestido de noiva.“Tive que mandar para a costureira fazer alguns ajustes, porque eu emagreci um pouco. Vou casar de véu e tudo”, disse.

A operadora de crédito conta que já foi casada e que teve dois filhos, mas o relacionamento não deu certo. “Estou divorciada há mais ou menos 15 anos”. Ela afirmou que, apesar de estar se casando pela segunda vez, é como se fosse a primeira.

 “Agora estou tendo a experiência de me preparar para uma cerimônia, de fazer uma festa de casamento. Da outra vez não foi assim, não teve nada disso”, contou ela. Os filhos, um de 16 e outro de 14 anos, apoiam o relacionamento da mãe com Flávia. Eles moram junto com o casal.

Karine e Flávia estão juntas há aproximadamente cinco anos. Alguns meses após o início do namoro, elas decidiram fazer um contrato de união estável. “Já temos conta conjunta, seguro de vida, mais o casamento civil dá mais segurança, garante mais direitos”, comentou.

Conquista

Dias de correria e alguns convites ainda a distribuir. É assim que a cozinheira Rute Pereira da Silva, 42 anos, e a militar do Corpo de Bombeiros, Geliane Mascarenhas, 37 anos, definem os últimos instantes como “solteiras”. Elas formam mais um casal a trocar alianças no domingo. "É uma vitória, uma conquista muito grande. Sofremos muito preconceito, queremos construir uma família e isso [casamento] é um benefício muito grande" Rute Pereira da Silva

Há cinco anos juntas, Rute e Geliane contam que o início do relacionamento foi marcado pela amizade que depois virou um namoro de aproximadamente sete meses. Em seguida, decidiram morar juntas.

Ambas têm filhas. Rute tem uma jovem de 23 anos e Geliane uma menina de 12. “Minha filha vai entrar comigo no casamento”, diz Rute. “Já temos uma família completa: uma criança, um cachorro e um gato”, brinca.

Para elas, o casamento simboliza a concretização de direitos. “É uma vitória, uma conquista muito grande. Sofremos muito preconceito, queremos construir uma família e isso [casamento] é um benefício muito grande”, diz Rute.

A militar exemplifica um dos casos em que os direitos serão colocados em prática. “Meus colegas [bombeiros] têm direitos e ela [Rute] também passará a ter. Isso é bom para o casal”.

Antes do momento de alegria, elas admitem que sofreram rejeição da família. Geliane conta que ao longo do tempo foi excluída e que, na adolescência, quando trabalhava com um tio, foi demitida por conta da sexualidade. Rute diz que foi expulsa de casa, aos 20 anos, após contar para mãe sobre a homossexualidade.

“Não posso obrigá-los a me aceitar. Tenho irmão que disse que eu havia morrido para ele, ou seja, para eles, não existo. Mas não faço questão porque quem paga as contas somos nós. Agora, se um dia eles vierem me procurar, as portas da casa estarão abertas”, diz a cozinheira.

Depois do casamento, elas e outros cinco casais vão comemorar a ocasião em um almoço. Apenas 15 pessoas serão seus convidados. “São pessoas que vão por nós, para compartilhar da nossa alegria”, diz Rute.

Legislação

 O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu o casamento gay em maio de 2011. Em 2 de abril deste ano, uma decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) regularizou o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo no estado.

Em 16 de maio, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) publicou a resolução 175 que obriga cartórios de todo o Brasil a realizarem casamento entre pessoas do mesmo sexo.