Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 24 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Cidadão vai a tribuna pedir providências sobre moradias populares

Rodrigo Andrade foi à sessão ordinária desta segunda, onde teve a oportunidade de se pronunciar

Franciane Trindade/Região News

21 de Março de 2011 - 16:12

Cidadão vai a tribuna pedir providências sobre moradias populares
Cidad - Foto: Franciane Trindade/Regi

Depois de entrar com uma ação na Promotoria de Justiça de Sidrolândia solicitando a Secretaria de habitação do Município agilidade no atendimento preferencial aos portadores de deficiência física e não ter nenhuma resposta do órgão competente, Rodrigo Andrade Monteiro de 23 anos procurou na manhã desta segunda-feira (21) o poder legislativo da cidade.

Rodrigo Andrade foi à sessão ordinária desta segunda, onde teve a oportunidade de se pronunciar, ao fazer uso da palavra o cidadão mostrou tamanha revolta com o caso, “venho essa tribuna para informar aos senhores vereadores que me cadastrei para ganhar uma casa popular do município há um ano e até agora não fui contemplado, muitas pessoas me conhece e sabe da minha luta, sei de pessoas que foram contempladas e que não precisam, quando não vendem, alugam e têm muitas casinhas que foram reformadas, o dinheiro gasto dava para construir outra casa, eu e muita gente que precisa até agora não ganhamos nada”, relata Rodrigo.

Com muito nervosismo Rodrigo mostrou a imagem de uma casa popular reformada, “vou deixar bem claro, já fui ao ministério Publico agora venho até os vereadores porque não sei se eles sabem como funciona a fiscalização dessas casas, e estou indo levar o meu caso até a televisão e quando voltar se nada for feito terei que tomar sérias medidas” disse Rodrigo

Rodrigo é portador de deficiência física e usou de sua necessidade para ver se era contemplado por direito, mas segundo ele nada adiantou, mesmo sendo portador seu nome não consta na lista dos beneficiados, Rodrigo afirmou que cerca 10% das moradias devem ser direcionadas a pessoas portadoras de deficiência e idosos, sendo 5% para ambos os casos.