Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 19 de Janeiro de 2022

Sidrolandia

Coluna Rapidinhas com Manoel Afonso

Manoel Afonso

25 de Abril de 2011 - 17:04

DESABAFO  do leitor: “Criticamos o Jader, Sarney e outros, mas corremos o risco de ter um senador que  deixou produtores rurais chupando o dedo, sem contar aquela grana toda que  o ‘Independência” levou fácil do BNDES”.

A COBRANÇA deste tipo tem sido uma constante dos meus leitores.  É a indignação em forma de desabafo contra a hipótese de Antônio Russo substituir Marisa  no Senado. Mas sem “olhos RX” não se vê o que se passa nos bastidores. Certo?

SÉRGIO LONGEN  Sua reeleição na Fiems espanta de vez as especulações sobre suas  eventuais pretensões na política partidária.  É possível que administrando o ego, resista até ao convite do PT para tentar a prefeitura da capital. Ou não?

LEMBRO:  Lula acaba de sugerir que o PT atraia gente do centro para seus quadros visando quebrar a resistência de parte da elite. Essa orientação é extensiva aos Estados e deve ser colocada em prática já nestas eleições de 2012.

NOS PLANOS do PT várias críticas à administração da capital. Mas isso bastará? Criticar por criticar não resolve. Os pretensos condutores das eventuais propostas precisam ter “fé pública”, sob pena de descrédito e insucesso.

OS NOMES  ventilados no PT não pontuam nas pesquisas. Vander é a sombra de Zeca, a área de influência de Kemp e cabo Almi é limitada; falta-lhes carisma.  Se Zeca está desgastado, Delcídio nem cogita a hipótese de disputar.  

PORTANTO, é possível que essa “caça ao novo” se intensifique, sob pena do PT não se fortalecer antes da disputa. Mas questiono: esse tiroteio visível entre Zeca e Delcídio  não desencoraja e espanta  qualquer convidado?

COMPARANDO: Você ficaria à vontade na casa de vizinhos que sempre demonstram desentendimento, num ambiente tenso? Se o PT não “exorcizar seus demônios”  não atrairá caras novas. “Os tempos são outros”, adverte Lula.  

DEPUTADOS estaduais não aproveitam assuntos saborosos na tribuna. Passam batido! Casos da inflação, da zorra na Petrobras, da Vale e a falta de recursos para o policiamento na fronteira. Depois reclamam da mídia!

O DEBATE  oxigena qualquer parlamento, mas muitos deputados optam por outros tipos de ações: votos de louvor, pesar, congratulações, pedidos de limpeza de terreno e cascalhamento de ruas. Convenhamos: é muito pouco!

PAULO DUARTE lembra: se o Congresso Nacional não faz sua parte quanto a legislação tributária, os Estados criam mecanismos para levar vantagem. É caso do imposto na compra via internet, não previsto na Constituição.

É DE DOER a falta de cultura dos deputados federais nas entrevistas  aos repórteres do CQC da “Band”. Ignoram o noticiário do dia a dia e dão desculpas esfarrapadas para justificar tamanha ignorância. Retratam o perfil de seus eleitores.

AÉCIO NEVES  Tudo bem que o país não tem  memória em se tratando da postura de nossos homens públicos. Mas a experiência dele enseja o mínimo de cautela em certas situações. Seus adversários adoraram o último episódio.

A HERANÇA do Governo Lula aparecendo: inflação incontrolável, o câmbio que prejudica nossas exportações, os combustíveis pela ‘hora da morte’, os caos na saúde e na segurança pública. A oposição – surda, cega e muda!

O GOVERNO  insiste  no desarmamento. As suas  propostas ingênuas   menosprezam a  inteligência. Não é pelo valor pago que o cidadão deixa de entregar a arma. Ele quer pelo menos ter uma forma de proteção, dentro de sua casa.

FAXINA  A capital não é a única cidade que contabiliza os prejuízos com as chuvas. A mídia mostra os casos em todo o Brasil. Há muita exploração política, é claro! Mas os esforços de Nelsinho para reverter o quadro são notáveis.  

HOMOFOBIA  Agiu certo o prefeito Baird, de Costa Rica,  não protegendo o filho  delinqüente. Normalmente, os pais dos “mauricinhos transviados”  recorrem às firulas na tentativa de poupá-los das penalidades em casos similares.

A PROPÓSITO: A consagração da impunidade e a valorização do sucesso sem limites éticos fomentam os desvios comportamentais de nossos jovens. O pior:  cestas básicas é um preço baratíssimo pelos danos irreversíveis que causaram.   

NA CAPITAL  alguns casos envolvendo jovens se arrastam na justiça, na certeza de que o prestígio familiar, a esperteza da defesa e a  memória curta da opinião pública ajudarão. Os familiares das vítimas precisam cobrar a mídia.

O PAPEL  da mídia é vital nestas situações. Não se pode atender  “pedidos especiais” e omitir detalhes e nomes de culpados. Melhoramos muito com o advento da internet, mas ainda há sinais de protecionismo em prol de poderosos.

O MINISTÉRIO  Público deveria dar à imprensa nestes casos, o mesmo destaque  ao  do combate dos desvios da administração pública. Seria uma forma de intimidar aqueles com potencial de transgredir ou que se julgam intocáveis. Não é?

DO LEITOR: “...concordo...se a Acrissul representa a base econômica do Estado, não entendo porque vive pedindo verbas públicas. Não passou a hora da desmama? O que ela proporciona gratuitamente ao povo com sua Exposição?