Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 27 de Novembro de 2021

Sidrolandia

Com corte de energia, assentados do Eldorado estão sem atendimento médico há uma semana

O estoque de vacina, que precisa ser mantido sob refrigeração, foi levado pela Secretaria Municipal de Saúde.

Flávio Paes/Região News

01 de Agosto de 2013 - 00:26

A interrupção no fornecimento de energia elétrica na sede do Assentamento Eldorado está comprometendo há uma semana o funcionamento da Unidade Básica de Saúde. Desde a terça-feira, dia 23 de julho, as consultas médicas e os tratamentos odontológicos agendados foram suspensos. Não tem como realizar procedimentos simples como inalação, aplicação das vacinas obrigatórias.

O estoque de vacina, que precisa ser mantido sob refrigeração, foi levado pela Secretaria Municipal de Saúde. Na farmácia só há uma meia dúzia de frascos de dipirona. Sem a energia, o gabinete odontológico não pode funcionar e com isto, 20 atendimentos diários deixaram de ser feitos.

As consultas médicas ficam prejudicadas porque as salas da casa que serve de sede improvisada do posto, são escuras, não tem janelas por onde a luminosidade natural pudesse entrar e clarear  ambiente. Desde o ano passado a UBS do Eldorado estava sem um médico permanente, havendo atendimento só duas vezes por semana, feita pela clínica geral do Quebra Coco.

Com o tempo, quem tem problemas respiratórios crônicos, como a funcionária pública (secretária da escola estadual do assentamento) Shirlei Aquiles Diniz, não tem como fazer inalação. “Não tem como sair todos os dias do assentamento e ir até o posto central na cidade para fazer inalação”, explica a funcionária  que além de ter problema de saúde agravado, com a falta de energia,   está com o trabalho  burocrático da escola acumulado.

Diante da situação, só resta às funcionárias informar a quem procura o posto de que quando a luz for religada, todas as consultas serão reagendadas por ordem cronológica. “Esperamos que haja uma solução rápida. Em média são atendidas 50 a 80 pessoas no posto”, explica  auxiliar de enfermagem  Inara Oliveira, que também é assentada.