Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 4 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Com obras e ações, Governo do Estado amplia e qualifica a saúde pública

A unidade passa a contar com 160 profissionais – 60 médicos, nove cirurgiões dentistas, 72 enfermeiros e mais 15 administrativos – contratados via concurso público.

Notícias MS

04 de Outubro de 2013 - 15:40

A saúde pública em Mato Grosso do Sul vem recebendo nos últimos sete anos um dos maiores investimentos desde a criação do Estado em melhoria dos serviços de pronto-atendimento e de maior complexidade e construção e reforma de hospitais e unidades ambulatoriais, além da capacitação dos profissionais. A qualidade e descentralização dos serviços é prioridade do governo estadual.

“A atenção das pessoas está em primeiro lugar”, afirmou o governador André Puccinelli, ao realçar as metas do MS Forte 2, programas de obras e ações lançado por ele em agosto que destinará até 2014 R$ 1,4 bilhão para promover o desenvolvimento social (saúde, educação, habitação e assistência social). “Hoje temos um dos melhores níveis de qualidade de vida do País”, completou André.

Fortalecendo as ações na área de saúde, o MS Forte 2 assegurou mais R$ 301,9 milhões em investimentos em obras e ações, incluindo a construção, conclusão, equipamento e ativação de hospitais, implementação da infraestrutura tecnológica da rede de atenção psicossocial e aumento de mais de 450% do valor repassado aos 79 municípios.

 Novo PAM

Na primeira edição do MS Forte, lançada em 2009, o governo estadual aplicou recursos da ordem de R$ 680 milhões no setor, concluindo e ativando os hospitais de Coxim, Chapadão do Sul, Nova Andradina e Fátima do Sul, além de investir pesado na reestruturação do Hospital Regional de Campo Grande. Também construiu e reformou unidades de saúde em Corguinho, Nioaque e outras cidades.

Recentemente, o governador entregou o novo Pronto Atendimento Médico (PAM) do Hospital Regional, na Capital, ampliando sua capacidade para 89 leitos (77 de urgência e emergência e 12 destinados à ala psiquiátrica). A unidade passa a contar com 160 profissionais – 60 médicos, nove cirurgiões dentistas, 72 enfermeiros e mais 15 administrativos – contratados via concurso público.

“Estamos melhorando o padrão no atendimento por gestão direta do Governo do Estado, embora a cidade de Campo Grande possua gestão plena na administração em saúde”, observou o governador. Segundo Puccinelli, o Estado participa e presta seu auxílio através do Hospital Regional, com atendimentos dentro de suas especialidades e referências e suporte também às demandas do interior.

Atender o interior

 Com profissionais qualificados e as novas instalações - são 2.417,33 metros quadrados construídos no andar térreo do hospital -, o novo PAM ampliou seu atendimento em 20%. A reforma foi orçada em R$ 4,7 milhões, recursos próprios do Estado previstos dentro do Plano Diretor de Obras do hospital, que prevê investimentos de R$ 30 milhões em infraestrutura e aquisição de equipamentos.

 Ao lançar o MS Forte 2, o governador André Puccinelli reafirma um dos compromissos balizares do seu governo: a descentralização da rede hospitalar, proporcionando uma assistência médica de maior complexidade aos sul-mato-grossenses. As ações também reduzem a transferência de pacientes para Campo Grande, cujos hospitais hoje enfrentam grandes demandas do interior e das fronteiras com o Paraguai e Bolívia.

Dentre as obras previstas, Puccinelli anunciou a construção do Hospital Regional de Dourados, segunda cidade mais populosa do Estado, com 120 leitos na primeira etapa. O Estado recebeu o terreno, doado por um empresário local, e vai investir R$ 70 milhões, transferindo posteriormente a unidade para gestão da prefeitura. O novo hospital vai atender a região da Grande Dourados, integrada por 34 municípios.

Hospital-Escola

Ainda em Dourados, o governo investirá R$ 1,5 milhão na conclusão da reforma do Hospital da Vida. Três Lagoas, em franco crescimento populacional e econômico, ganhará um Hospital-Escola, com 120 leitos na primeira fase, orçado em R$ 55 milhões. “É um empreendimento emblemático”, comemorou a prefeitura Márcia Moura, lembrando que o município terá uma faculdade de Medicina da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

 O pacote de obras contempla a reforma e ampliação do Hospital Regional Dr. José Simone Neto, em Ponta Porã; reforma e ampliação do Complexo Regulador de Saúde, em Campo Grande, Dourados e Três Lagoas, e parceria do Estado na construção do Hospital do Câncer, também na Capital. Em agosto, o governador inaugurou a unidade do SAMU (Serviço de Atendimento móvel de Urgência) de Corumbá, obra prevista no programa, com investimentos de R$ 761,8 mil.