Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 25 de Maio de 2022

Sidrolandia

David denúncia boicote do comércio à coleta seletiva e vai apresentar projeto que torna adesão obrigatória

A medida será necessária, porque nestes dois meses de coleta seletiva, está havendo um boicote por parte dos comerciantes, comprometendo o rendimento dos 9 catadores

Flávio Paes/Região News

29 de Outubro de 2015 - 07:00

A adesão do comércio a coleta seletiva será obrigatória e quem não aderir, terá de apresentar um projeto de destinação do lixo produzido no seu estabelecimento, em aterro sanitário licenciado que só existe em Campo Grande e Maracaju, um serviço bem mais dispendioso, do que a taxa do lixo que está sendo criada.

É o que prevê o projeto de lei que o presidente da Câmara Municipal,  David Olindo, vai apresentar para deliberação já na sessão da próxima segunda-feira. "O município só é obrigado a coletar o lixo de quem produz até 50 quilos de resíduos por dia, isto na legislação federal  e vamos simplesmente reforçar no âmbito local", destaca o vereador que na manhã desta quarta-feira se reuniu com o secretário Municipal de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente, Cezar Queiroz.

A medida será necessária, segundo David, porque nestes dois meses de coleta seletiva (restrita as ruas Dorvalino dos Santos, Santa Catarina, João Marcio e Mato Grosso), está havendo um boicote por parte dos comerciantes, comprometendo o rendimento dos 9 catadores que estão trabalhando. "Os empresários só deixam o lixo sem valor comercial, o chamado resíduo úmido e ficam com o papelão, o vidro, a garrafa pet, para eles próprios venderem, transformando no 14º salário dos funcionários ou custear as festas de confraternização do fim do ano".

O reflexo deste comportamento é que ao invés de uma tonelada por semana, está se conseguindo coleta no máximo 300 quilos de lixo reciclável.  O resultado é que a receita da venda deste material não tem rendido nem um salário mínimo por mês para os catadores (estão ganhando no máximo R$ 450,00). Para que não passem necessidade, a Secretaria Municipal de Assistência Social tem fornecido a cada um deles uma cesta básica.

Mudança de horário

Outra questão debatida na reunião dos vereadores com o secretário de Meio Ambiente, é a mudança do horário da coleta seletiva, que passará a ser feita entre 5 e 8 horas da manhã, de forma a não comprometer o movimento comercial. Atualmente o serviço é feito  das 14 às 17 horas, horário de pico, inclusive por causa do fechamento dos bancos.