Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Janeiro de 2021

Sidrolandia

David Olindo tumultua sessão, pede renúncia de Basso, diz que vereador se vendeu e abandona plenário

O estopim foi quando Acosta se posicionou diante ao entrave criado na deliberação que autoriza a Prefeitura repassar R$ 2,8 milhões em subvenções.

Marcos Tomé/Região News

10 de Março de 2014 - 16:20


O que parecia ser uma sessão ordinária sem grandes destaques no campo do debate político, ao final, se transformou numa das mais acaloradas até então. Numa retorica persuasiva de oposicionista, o vereador David Olindo (SDD) além de ter pedido na tribuna a renúncia do prefeito Ari Basso do cargo, tomou para si parte do discurso do líder do governo, vereador Waldemar Acosta, que foi a tribuna pedir coerência dos parlamentares nos tramites de projetos de interesse da sociedade.

O estopim foi quando Acosta se posicionou diante ao entrave criado na deliberação que autoriza a Prefeitura repassar R$ 2,8 milhões em subvenções para diversas entidades filantrópicas como o hospital Elmiria Silvério Barbosa e a Comitiva dos Amigos, que trata de pacientes com câncer. Waldemar chamou atenção dos líderes de bancada que votaram contrário ao pedido de urgência (de sua autoria) na semana passada.

As críticas foram direcionadas ao relator do projeto Edivaldo dos Santos, que decidiu se posicionar contra a urgência porque o Executivo enviou para comissão uma versão diferente da que recebeu parecer da CGAL antes do Carnaval. Nesta segunda-feira o projeto acabou sendo aprovado. O fato que chamou atenção se deve ao fato de que não houve nenhuma alteração dos parlamentares que mantiveram o veto na sessão anterior.

“Este plenário só criou dificuldades para APAE, Comitiva, Hospital e tantas outras instituições ao segurar o projeto das subvenções. O que de fato somou para sociedade o veto dos lideres de bancada em não permitir que o projeto tramitasse?”, questiona Acosta. O puxão de orelha foi intolerável pelo grupo de oposição que partiram para o ataque.

Confusão

Emblemático em suas ponderações a cerca do caso, em tom de desabafo, Waldemar pediu aos vereadores que parassem de brincar de esconde-esconde e tratassem o legislativo com seriedade. “Estamos fazendo a política de quem fala mais alto tem voz e vez. Esquecemo-nos de nosso papel, até de nossas verdadeiras funções neste parlamento. Vetaram o projeto pra nada. Vereador não pode criar emendas que onera o Executivo, ou seja, sem efeito o papel dos senhores”, argumenta.

David Olindo não se conteve e numa investida de contra-ataque, desqualificou o discurso de Acosta classificado por ele como de “Encantador de Asno”. O oposicionista em sua retorica ofensiva chegou a comparar a inteligência do pedetista ao tamanho de uma formiga, porque todos os projetos aprovados pelo Legislativo, segundo ele até agora, só tiveram veredito de aprovação com sua permissão.

Acusação

Em meio aos ataques a pessoa de Acosta, David Olindo deixou claro que o comportamento do pedetista na condição de líder do governo trata-se de uma negociata onde envolveu valores financeiros em troca do apoio na Câmara. “O senhor esta acertado com o governo. Diga pra nós quando é que foi este acerto”, dispara David que saca certa quantia em dinheiro do bolso e pergunta a Acosta, qual era seu preço. Aos berros deixa o plenário acompanhado da bancada do Solidariedade e do vereador “Vadinho”. Ouça o áudio.