Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 25 de Maio de 2022

Sidrolandia

David vai se reunir com empresário e associação para tirar a limpo situação do transporte

A Prefeitura garante que já pagou a mensalidade de agosto, R$ 149 mil; pagou uma parcela de R$ 80 mil referente a setembro.

Flávio Paes/Região News

08 de Novembro de 2015 - 21:15

O presidente da Câmara Municipal, David Olindo (PDT), pretende se reunir nesta segunda-feira com os empresários e posteriormente com a presidente da Associação dos Estudantes Campesinos, Maria Nazaré, para tirar a limpo a situação do transporte universitário, que tem passado por turbulências.

“Esta situação de insegurança não pode continuar. Tem dinheiro público em jogo e não pode brincar com os estudantes que estão na reta final para terminar o ano letivo”, comenta o vereador. Na semana passada a empresa Monte Sião, retirou sua frota alegando falta de pagamento.

O serviço foi interrompido porque a associação está contratando os ônibus em sistema de diária (com pagamento a vista). Não há um contrato entre a associação e qualquer empresa de ônibus. A Monte Sião é a terceira empresa (antes foi a Guimarães e depois a Seriema Transporte) que rompe com a associação responsável pelo gerenciamento do serviço, sempre com a reclamação de calote por parte da entidade gestora.

A Prefeitura garante que já pagou a mensalidade de agosto, R$ 149 mil; pagou uma parcela de R$ 80 mil referente a setembro, devendo quitar o mês retrasado nesta semana. Considerando um total de 10 parcelas, o secretário de Finanças e Administração, Raul Savaris, garante só há duas parcelas em aberto para fechar o ano, ou seja, o mês de outubro e o período corrente.

Para o empresário Paulo Guimarães, que cobra na Justiça o recebimento de R$ 276.320,00, referente ao transporte universitário oferecido nos meses de abril e maio, a presidente da Associação tem usado esta estratégia do calote para substituir as empresas. A Seriema Transporte, que prestou o serviço em 2014, notificou os estudantes para receber quase R$ 500 mil em parcelas não pagas.