Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 29 de Novembro de 2021

Sidrolandia

Depois de demitir 160 funcionários, prefeito anuncia a vereadores novos cortes e salário vai sair dia 7

Em função do “inchaço” da folha com o impacto provocado pelas indenizações, o salário de julho não deve ser pago no dia 1º do mês seguinte, mas só no dia 07 de agosto.

Flávio Paes/Região News

25 de Julho de 2013 - 20:13

Foto: Natalícia Mello/Região News

Depois de demitir 160 funcionários, prefeito anuncia a vereadores novos cortes e salário vai sair dia 7

Prefeito Ari Basso em reunião com vereadores na sala de reuniões da prefeitura

Ao se reunir nesta quinta-feira com os vereadores, quando apresentou a concessão de incentivos para novos investimentos em Sidrolândia, o prefeito Ari Basso (PSDB), admitiu que o corte de gastos com pessoal, para reduzir em R$ 1 milhão a folha de pagamento, não terminou com a demissão até agora de 160 funcionários, entre comissionados, contratados por tempo determinado, além do corte e redução de gratificações.

Embora não se fale em número de dispensados, é possível que sejam efetivadas mais 140 demissões, que somadas as já efetivadas, significarão desemprego para 300 pessoas. As demissões já não foram efetivadas neste mês por uma razão financeira. A Prefeitura teria dificuldades para pagar os salários e as rescisões, que no caso dos comissionados, incluindo 13° e férias proporcionais.

Em função do “inchaço” da folha com o impacto provocado pelas indenizações, o salário de julho não deve ser pago no dia 1º do mês seguinte, mas só no dia 07 de agosto. O prefeito deixou claro que não serão poupadas nem lideranças que dos partidos que estiveram no seu palanque. Nesta leva, conforme suas palavras, “serão atingidos companheiros”.

Já é dada como certa, por exemplo, a extinção da coordenadoria de Políticas Públicas para a Mulher, levando a exoneração de Solangi Stefanello, que durante o governo do ex-prefeito Daltro Fiúza ocupou o mesmo cargo. Ari Basso voltou a reclamar que o repasse do Fundo de Participação do Município, voltou a cair, embora em julho a arrecadação deva chegar em R$ 8 milhões por conta da entrada dos recursos com o pagamento do IPTU.

No caso do FPM a queda (em relação a junho) pode beirar a 40%. Os dois primeiros repasses ficaram R$ 653.611,00, enquanto no mês passado, superou R$ 1 milhão. Segundo o secretário de Governo, Enelvo Felini, a Prefeitura vai promover mudanças no plano de cargos e salários dos servidores, para conforme ele avaliar, corrigir distorções, como a de operadores de patrola, que passaram a ganhar cerca de R$ 2 mil.

Pela primeira vez  em oito anos o funcionalismo não deve ter reajuste com base na inflação dos últimos 12 meses.