Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 13 de Agosto de 2022

Sidrolandia

Deputada recolhe assinaturas necessárias para CPI que vai investigar o CIMI

A reunião não parece ter sido das mais calmas, já que muitos saíram exaltados da sala onde acontecia a conversa, que durou quase duas horas

Campo Grande News

01 de Setembro de 2015 - 11:00

A deputada estadual Mara Caseiro (PT do B) já tem a oito assinaturas necessárias para criar na Assembleia Legislativa, uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar o Cimi (Conselho Indigenista Missionário). Hoje de manhã, os 24 deputados se reuniram para debater sobre o assunto.

A reunião não parece ter sido das mais calmas, já que muitos saíram exaltados da sala onde acontecia a conversa, que durou quase duas horas. Apesar de toda a bancada do PT ser contra, oito deputados já afirmaram apoiar a CPI, sendo Zé Teixeira (DEM), George Takimoto (PDT), Paulo Correa (PR), Eduardo Rocha (PMDB), Marcio Frnandes (PT do B), Lidio Lopes (PEN), Mauricio Picareli (PMDB) e Mara Caseiro (PT do B).

Para a deputada Mara Caseiro, vai investigar se o órgão é o responsável por incitar a violência entre índios e fazendeiros, conforme relatos de proprietário rurais. "Temos que saber quem são os elementos que estão incentivando o conflito, por que o Cimi não foi criado com essa intenção, tanto que recebem recursos de instituições até de fora do país, mas não fizeram nenhuma política para melhorar a situação dos índios", critica.

Já o deputado João Grandão (PT), defende que este não é o momento ideal para a criação desta CPI, visto que os conflitos ainda estão acontecendo em Antônio João. "Criar uma CPI neste momento é tirar foco, além disso ao invés de buscar um entendimento, isto vai acirrar mais os ânimos, atrapalhando a paz entre fazendeiros e indígenas", diz ele ao cobrar mais a participação da Funai nos confrontos.

O produtor rural Ricardo Bacha, esteve na Assembleia para apoiar a criação da CPI. "Essa CPI contra o Cimi vai poder averiguar se a entidade realmente financia e está por tras das invasões, por que existem indícios sérios apontando nessa direção". O movimento Pátria Livre também participou e defendeu a paz no campo.

"Sobre a CPI nós somos a favor de toda a investigação, para saber se existe ações irregulares, não conhecemos o Cimi, mas como cidadãos precisamos observar e saber o que está acontecendo", disse Pátria Livre, presidente do movimento.

De acordo com a mesa diretora, a necessidade de oito assinaturas é apenas o primeiro critério para se criar a CPI. É preciso ainda analisar se existe um fato determinado e prazo para investigação.