Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 4 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Deputado articula a inclusão de Três Lagoas no trajeto da Ferrovia EF-267

Bernardo prometeu analisar a questão e até se comprometeu em fazer uma visita ao município de Três Lagoas.

Campo Grande News

23 de Agosto de 2013 - 08:34

O deputado estadual Eduardo Rocha (PMDB) articula a inclusão do município de Três Lagoas no trajeto da ferrovia EF-267 que irá vir de São Paulo passar por vários municípios do Estado até chegar a Dourados. Depois segue para Mundo Novo até o porto de Paranaguá no Paraná.

“Já temos o apoio dos colegas aqui da bancada e vamos em busca desta mudança de trajeto em Brasília”, ressaltou. Eduardo explica que esta ferrovia que tem como objetivo baratear a produção e o custo do frete, por isso não pode deixar de fora a maior fábrica de celulose do mundo, Eldorado, a segunda maior, Fibria, a fábrica de fertilizantes da Petrobras, International Paper e a Siderúrgica Sitrel.

O deputado ressalta que a EPL (Empresa de Planejamento e Logística), por meio de seu presidente, Bernardo Figueiredo, precisa analisar com atenção esta solicitação, já que esta em jogo o desenvolvimento do Estado.

Audiência – No dia 16 de agosto houve a audiência pública na Assembleia com a presença do presidente da EPL, Bernardo Figueiredo, após a exposição do projeto, tanto o deputado Eduardo Rocha como a prefeita de Três Lagoas, Márcia Moura (PMDB), pediram que o trajeto fosse alterado.

Bernardo prometeu analisar a questão e até se comprometeu em fazer uma visita ao município de Três Lagoas. Ele adiantou que um “ramal” de ligação poderia resolver o problema. “Já visitei Três Lagoas e conheço sua capacidade industrial, poderemos abrir esta exceção em função do ganho produtivo real do local, esta ampliação seria de 100 km no máximo”.

Em Mato Grosso do Sul o investimento nesta ferrovia irá girar em torno de R$ 11 bilhões, possibilitando que o Estado tenha duas saídas de escoamento, um pelo Estado de São Paulo e outro em direção ao Paraná. Em outubro deve ser feita a licitação de administração e construção. As obras devem começar no segundo semestre do ano que vem e poderá ser finalizada até 2019.