Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 21 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Deputado Marçal Filho quer maior reajuste

O deputado Marçal Filho também defende um novo reajuste para o salário mínimo

Sidney Bronka

07 de Janeiro de 2011 - 10:54

Deputado Marçal Filho quer maior reajuste
O deputado Mar - Foto: Sidnei Bronka/Regi

Coordenador em Mato Grosso do Sul da Frente Parlamentar em Defesa dos Aposentados no Congresso Nacional, o deputado federal Marçal Filho (PMDB) luta para que a classe tenha um maior reajuste. A Frente considerou insuficiente o aumento do salário mínimo de R$ 510,00 para R$ 540,00 e justifica que há R$ 5,6 bilhões no orçamento para melhorar a margem de reajuste.

O governo concedeu aos aposentados e pensionistas, que recebem mais do que o salário mínimo, um reajuste de 6,41%. O aumento é menor do que o concedido em 2010 e oferece apenas a inflação acumulada em 2010, o que não aconteceu com o salário mínimo definido pela equipe de Lula.

Marçal é a favor dos aposentados e sindicalistas que querem 10% de aumento, "Quero que o aumento seja repassado para aqueles que ganham mais que um salário mínimo", declarou o parlamentar.

A favor da proposta que eleva o salário mínimo para R$ 580,00 o deputado apoia a decisão do PMDB para votação de um novo salário mínimo. Marçal já apresentou no ano passado um projeto que propõe o reajuste e mantém sua posição em defesa dos trabalhadores.

Apesar de a medida já estar em vigor, o valor pode ser alterado depois do dia 2 de fevereiro, quando começam os trabalhos no Congresso Nacional. O valor proposto representa um reajuste de apenas 5,88% sobre o mínimo que vigorava anteriormente (R$ 510).

CONTRIBUIÇÃO

A portaria divulgada pelo governo estabelece as novas as alíquotas de contribuição do INSS dos trabalhadores empregados, domésticos e trabalhadores avulsos. As alíquotas são de 8% para aqueles que ganham até R$ 1 106,90; de 9% para quem ganha entre R$ 1.106,91 e R$ 1.844,83; e de 11% para os que ganham entre R$ 1.844,84 e R$ 3.689,66. Essas alíquotas – relativas aos salários pagos em janeiro – deverão ser recolhidas apenas em fevereiro. Os recolhimentos a serem efetuados em janeiro – relativos aos salários de dezembro – ainda seguem a tabela anterior. Nesse caso as alíquotas são de 8% para aqueles que ganham até R$ 1 040,22; de 9% para quem ganha entre R$ 1.040,23 e R$ 1.733,70 e de 11% para os que ganham entre R$ 1.733,71 e R$ 3.467,40.

INSS