Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 30 de Outubro de 2020

Sidrolandia

Dono da Vacaria reclama de atraso e ameaça suspender transporte a partir do dia 4

Os estudantes alegam que não pagam porque a Prefeitura atrasou os pagamentos. Já a Prefeitura contesta: só recebeu quem comprovou o pagamento da parcela do mês anterior.

Flávio Paes/Região News

30 de Julho de 2014 - 08:40

O empresário Moacyr Almeida, dono da Vacaria Turismo, ameaça suspender o transporte dos universitários a partir da próxima segunda-feira, dia 04, caso os estudantes não regularizarem os pagamentos referentes aos meses de junho e julho.

A empresa, que atende aos acadêmicos filiados a União dos Estudantes de Sidrolândia, neste mês, quando as aulas foram retomadas a partir do dia 15, disponibilizou nove ônibus, mas a partir do mês que vem deve retomar a frota normal, que são 11 veículos (três pela manhã, um à tarde e sete à noite).

“A empresa tem seus compromissos e não pode continuar arcando com o prejuízo”, desabafa o empresário, que critica o desencontro de informações entre a Prefeitura e a entidade estudantil sobre as razões do atraso. Os estudantes alegam que não pagam porque a Prefeitura atrasou os pagamentos. Já a Prefeitura contesta: só recebeu quem comprovou o pagamento da parcela do mês anterior. Há casos de alunos que não foram retirar nenhum cheque desde o início do programa.

A Prefeitura contemplou em abril, quando foi feita a seleção, 433 estudantes que atenderam os requisitos do programa. No início do mês foi divulgada uma relação de 93 beneficiários com pendências (falta de comprovante de pagamento e porque não abriu conta bancária).

Eles não receberam o auxilio financeiro de R$ 280,00, referente a junho, muito menos o de julho. Deste grupo, 63  entregaram a documentação e outros 30 ainda estão pendentes e podem ser excluídos do benefício. Quem apresentou o comprovante de pagamento vai receber na próxima semana o mês de junho.

O outro grupo que administra o transporte universitário, o da Associação dos Campesinos, garante que não enfrenta problemas de inadimplência. A entidade diz que transporta mais de 300 alunos, com cinco vans e três ônibus. Hoje a Prefeitura gasta por mês R$ 121 mil com o transporte, bem menos que os R$ 330 mil do ano passado.