Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 27 de Outubro de 2020

Sidrolandia

Em 16 anos, Expo Sidrolândia de 2014 será a primeira sem ajuda financeira da Prefeitura

Rogério Menezes, que assumiu o comando da instituição em fevereiro, resolveu apostar na colaboração da classe produtora de Sidrolândia.

Marcos Tomé/Região News

01 de Agosto de 2014 - 11:00

A nova diretoria do Sindicato Rural de Sidrolândia vai dar um, “tapa de luva” em setores políticos da oposição, que criticaram repasse de verba pública da Prefeitura para custear parte das despesas com a realização da feira agropecuária ano passado, quando a instituição pleiteou R$ 130 mil para cobrir parte de uma despesa estimada na época em R$ 300 mil. Esta monta foi reduzida em 30,77% pela Câmara, fixada em R$ 90 mil.

O produtor rural Rogério Menezes, que assumiu o comando da instituição em fevereiro deste ano, resolveu apostar na colaboração da classe produtora de Sidrolândia para não envolver a partição financeira do Poder Público Municipal. Apesar de se tratar de um evento voltado ao agronegócio, a feira é o principal acontecimento festivo da cidade.

Em média, mais de 30 mil pessoas devem passar pelo parque de exposição Waldomiro João Comparim durante o evento. Sem dinheiro público e com uma missão de tornar a feira mais atrativa e acessível à população, Rogério vai realizar a Expo Sidrolândia de portões abertos todas as noites, com exceção do dia 5 de setembro, quando á dupla sertaneja César Menotti e Fabiano, subirá ao palco.

O alto custo para bancar o show dos sertanejos (cerca de R$ 250.000,00) é o fator principal da cobrança do acesso ao parque nesta data. Nos demais dias, o acesso será livre. “Estamos organizando um evento grandioso com muitas mudanças e novidades. Não é fácil preparar uma festa deste tamanho, mas creio ser mais cômodo criticar ao invés de meter a mão na massa”, dispara.

Pela estimativa de negócios, em torno de R$ 20 milhões, a edição deste ano deve entrar para história das feiras. Outra razão se deve ao fato de ser a primeira, num total de 15 já realizadas, que não terá verba pública envolvida. “O desafio é grande, mas a classe produtiva de Sidrolândia esta honrando esta diretoria, como sempre fizeram”, finaliza Rogério.