Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 22 de Setembro de 2021

Sidrolandia

Em oito anos, levantamento revela que SUS perdeu 1,1 mil leitos em MS

Em Campo Grande, há oito anos, 1.487 leitos eram oferecidos. Cinco anos mais tarde, o número aumentou para 1.621. Atualmente, há 1.616 vagas, 8,6% a mais que em julho de 2005.

Campo Grande News

04 de Setembro de 2013 - 07:10

De outubro de 2005 a julho de 2013, 1.193 leitos foram desativados da rede pública de saúde em Mato Grosso do Sul. Em 2005, eram 5.199 vagas; em janeiro de 2010, o número baixou para 4.245 e, em julho deste ano, 4.006 leitos foram computados no Estado, uma redução de 22,9%, em oito anos.

“Essa queda a gente tem percebido na prática das atividades”, disse o presidente do CRM (Conselho Regional de Medicina), Luis Henrique Mascarenhas Moreira. Segundo ele, a redução é resultado da defasagem da tabela do SUS (Sistema Único de Saúde). “Diante do repasse baixo, entidades filantrópicas, têm se descredenciado do SUS”, explicou.

O resultado, de acordo com o presidente do CRM, é a superlotação nos hospitais, principalmente, na Capital. “Há muito tempo, estamos pedindo providências para reajustar a tabela do SUS”, informou Moreira. “Hoje, o Governo Federal aplica em média 4,5% do orçamento em saúde, muito abaixo dos demais países da América Latina. Quem menos aplica, investe 8%”, comentou.

Além da falta de investimento, Moreira frisou que a má gestão dos recursos complica a situação. “É um círculo vicioso”, lamentou. Ao mesmo tempo, ele frisou que a expectativa de vida do brasileiro vem aumentando, da mesma forma que os acidentes de trânsito e o número de habitantes das cidades. “Infelizmente, há casos de perda de pacientes, devido a esse sistema precário”, declarou.

Dados - O levantamento sobre a redução dos leitos da rede pública foi realizado pelo CFM (Conselho Federal de Medicina) em parceria com o CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde), do Ministério da Saúde. Ainda de acordo com a apuração, no Brasil, a redução de vagas foi de 7%. Em 2005, eram 374.707 lugares contra 361 mil, em 2010, e 348.303, em julho deste ano.

Em Campo Grande, há oito anos, 1.487 leitos eram oferecidos. Cinco anos mais tarde, o número aumentou para 1.621. Atualmente, há 1.616 vagas, 8,6% a mais que em julho de 2005.

Ponderação - No ano passado, o CFM fez um levantamento semelhante nos recursos físicos disponíveis no SUS e identificou que 42 mil leitos haviam sido desativados entre outubro de 2005 e junho de 2012. Após a denúncia, o Ministério da Saúde justificou que a queda de leitos representa uma tendência mundial devido aos avanços em equipamentos e medicamentos que possibilitam o tratamento sem necessidade de internação do paciente.

Meses depois, novos dados foram divulgados. Com a “atualização”, a base CNES revelou uma queda menor: 26.404 leitos desativados entre outubro de 2005 e julho de 2013. A partir dos novos números, é possível observar que a quantidade de leitos desativados nos últimos três anos e meio (2010 a julho de 2013) representa 48% do total de leitos fechados em oito anos.

Segundo nota explicativa do Ministério da Saúde, as informações relativas aos leitos complementares (Unidades de Terapia Intensiva e Unidades Intermediárias), “compreendidas entre agosto/2005 a junho/2007, estavam publicadas de forma equivocada, contabilizando em duplicidade os quantitativos desses tipos de leitos”.