Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 27 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Em quatro anos, governo do Estado triplicou investimentos em segurança

o Estado contava com 4,8 mil policiais militares e hoje o efetivo é de 5.996

Noticias MS

24 de Dezembro de 2010 - 08:01

Em quatro anos, governo do Estado triplicou investimentos em segurança
Em quatro anos, governo do Estado triplicou investimentos em seguran - Divulga

O governo do Estado triplicou o investimento anual em obras da área de segurança pública, viaturas, armamentos e reforço do policiamento nas ruas de Campo Grande e do interior do Estado. Um dos principais avanços foi a contratação por meio de concurso público de 2.279 policiais (Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros e agentes penitenciários). 

O primeiro mandado do governador André Puccinelli se encerra com investimento de aproximadamente R$ 100 milhões somente nesta área. Em 2006, o Estado contava com 4,8 mil policiais militares e hoje o efetivo é de 5.996, representando um aumento real de 24,9% do policiamento em Mato Grosso do Sul.

Nestes quatro anos, o governo do Estado investiu R$ 44,3 milhões na compra de  863 viaturas (entre motos e veículos). A média anual de investimento na segurança pública foi de R$ 27,3 milhões. Isso representa 329% a mais que a média aplicada entre 1999 a 2006. O governo anterior aplicou em oito anos R$ 72,3 milhões, ou seja, uma média de R$ 9 milhões por ano.

 O orçamento da Secretaria de Justiça e Segurança Pública, computando o sistema penitenciário, passou de R$ 412,05 milhões em 2006, para R$ 699,82 milhões, incremento de 69%. Com maior efetivo, viaturas novas e reforço no armamento, a Polícia passou a ter uma atuação mais forte nas ruas. O reflexo é a redução dos índices de criminalidade.

O governador André Puccinelli ressalta que a segurança é um item de primeira necessidade e exige constante aparelhamento humano e material para fazer frente aos criminosos. Ele lembrou que além do reforço de efetivo também foi feito forte investimento envolvendo a substituição de revólveres por pistolas, aquisição de coletes à prova de bala e sete toneladas de munição. “Ainda não está no patamar que queremos. Queremos uma segurança ainda melhor, mas evoluiu muito, e continuaremos priorizando este setor como um dos itens importantes desse governo”, finalizou.

INDICADOR

De acordo com o levantamento anual do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Mato Grosso do Sul foi um dos estados que mais obteve avanços no setor.  Os índices de crimes de latrocínio e lesão corporal seguida de morte foram os que mais diminuíram no Estado: entre 2008 e 2009, os casos de latrocínio diminuíram de 29 para 15, uma queda de 48%. Já as lesões corporais seguidas de morte caíram 53%, de 17 para oito registros em 2009.

Ao analisar os investimentos do governo do Estado em segurança pública, o Fórum Brasileiro constatou que, enquanto em 2006 a participação total da segurança pública em todas as despesas realizadas foi de 8,9%, já no primeiro ano da administração do governador André Puccinelli o índice foi para 10,2%. De acordo com o levantamento, em 2006, as despesas em segurança eram de R$ 180,65 por habitante. No ano seguinte, o valou saltou para R$ 231,65 per capita e em 2009 o investimento fechou em R$ 273,19.

De acordo com o anuário, o maior investimento do governo do Estado foi no setor de informação e inteligência. Entre 2008 e 2009 os investimentos neste setor aumentaram 229,98%, fazendo os recursos saltarem de R$ 3,9 milhões para mais de R$ 13 milhões.

MELHOR ESTRUTURA

O dinheiro investido em segurança pública garantiu a construção de seis  prédios para a Polícia Militar e  reforma e ampliação de outras 15 unidades, construção de uma delegacia e de 14 agências municipais do Detran.  O secretário de Segurança, Wantuir Jacini, informou que a Polícia Militar ganhou o reforço de 1.626 policiais, uma média de 406 policiais por ano.

Além de aumentar o efetivo e melhorar as condições de trabalho dos policiais, o secretário de Segurança ressalta que o  governo do Estado optou, como arma para reduzir a criminalidade, implantar a filosofia da polícia comunitária que estabelece uma relação mais próxima dos policiais militares com a comunidade.

O comandante geral da PM, Coronel Carlos Alberto David, informou nos últimos dois anos foram ativadas seis bases comunitárias em Campo Grande localizadas nos bairros Nova Lima, Coophasul, Aero Rancho, Coophavila II, Los Angeles e União. Outras duas unidades foram construídas no interior do Estado.

No bairro Nova Lima a violência foi reduzida em mais de 40%, envolvendo crimes de assalto, furto e, principalmente, homicídio.  Com a filosofia da policia comunitária, o policial visita a comunidade e os comerciantes para estabelecer um canal de comunicação mais estreito. Isso cria confiança do cidadão e dá oportunidade de o policial ter acesso às informações de pontos de drogas, por exemplo, ou de pessoas suspeitas.

Durante as visitas ao comércio e com a comunidade, os policiais deixam o número do celular para a comunicação direta. É a possibilidade de um contato maior com o cidadão numa relação de cumplicidade. Isto facilita o contato quando a comunidade precisar dos policiais militares com mais rapidez.