Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 21 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Em sabatina na Câmara, secretária pede apoio para ampliar orçamento da Saúde em R$ 4 milhões

Sem um reforço financeiro de R$ 4 milhões, que eleve de R$ 24 para R$ 28 milhões o orçamento anual da saúde, ela admitiu que haverá dificuldade

Flávio Paes/Região News

24 de Setembro de 2013 - 13:53

Foto: Marcos Tomé/Região News

Em sabatina na Câmara, secretária pede apoio para ampliar orçamento da Saúde em  R$ 4 milhões

Leila Couto durante explicações aos vereadores na Câmara Municipal

Ao ser sabatinada na sessão desta segunda-feira na Câmara de Vereadores, a secretária Municipal de Saúde, Leila Couto, alertou os vereadores que a Secretaria vai precisar de uma suplementação de pelo menos 16,6%  em 2014 para garantir um mínimo  de qualidade no atendimento prestado à população. 

Sem um reforço  financeiro de R$ 4 milhões, que eleve de R$ 24 para R$ 28 milhões o orçamento anual da saúde, ela admitiu que haverá dificuldade até para manter os serviços já oferecidos. A secretária que está no cargo desde 1º de agosto  e ainda se considera interina, foi convocada pelo Legislativo para explicar o fechamento desde o dia  1º o Posto de Saúde Central durante a madrugada e as razões de substituição do sistema de informática da Secretaria.

Ela relatou que recentemente cinco médicos pediram demissão porque foram aprovados em concurso na Capital e reconheceu a necessidade de resolver alguns gargalos no atendimento, na ortopedia, cardiologista, além da necessidade de contratar um psiquiatria e um infectologista.

Leila Couto reconhece que a rede pública enfrenta problemas como a falta de material de limpeza; não foi  autorizada a manutenção dos carros de apoio usados no transporte de pacientes da zona rural que precisam fazer hemodiálise em Campo Grande. O ônibus dos consultórios itinerantes está parado no Capão Seco, porque está sucateado, com problemas na parte elétrica.

Os problemas com os carros de apoio foram  relatados pelo vereador Edivaldo dos Santos (PT). Vadinho contou que recentemente, vindo do assentamento para a cidade de madrugada, se deparou com um dos carros, que trazia um paciente para fazer hemodiálise em Campo Grande, parado à beira da rodovia com problemas mecânicos.

Foto: Marcos Tomé/Região News

Em sabatina na Câmara, secretária pede apoio para ampliar orçamento da Saúde em  R$ 4 milhões

Todas estas dificuldades a secretária informa que relata por escrito ao gabinete do prefeito. “Fazemos por comunicação interna para tudo ficar documentado”, informa, em resposta a indagação do vereador Mauricio Anache (PSDB). Ele relatou que numa reunião com os vereadores da base aliada, o secretário de Governo, Enelvo Felini, culpou os secretários por não estarem informando o gabinete de necessidades como estas; a da falta de material de limpeza nos postos ou produtos para preparar a merenda escolar, como ocorreu na semana passada, quando foi servido mingau sem açúcar aos alunos.

“Posso garantir que este problema não ocorre na Secretaria de Saúde. No caso, por exemplo, do material de limpeza, foram enviados ao gabinete do prefeito comunicações internas no dia 24 de junho e mais recentemente, em 9 de setembro”. Ela atribuiu o atraso na entrega dos produtos  a problemas burocráticos no processo de licitação.

Quanto ao questionamento apresentado pelo vereador Nélio Paim,sobre a mudança do sistema de informática, a secretária explicou que o contrato anterior venceu daí a necessidade da mudança. Segundo ela, por determinação do Ministério da Saúde será instalado o E-SUS que permitirá o acompanhamento praticamente on-line do prontuário de atendimento de todos os pacientes.