Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 9 de Maio de 2021

Sidrolandia

Feriados deste ano podem representar perda de R$ 66,8 bi para a indústria

O estudo Custo Econômico dos Feriados Federais para a Indústria sinaliza que esse porcentual é o maior desde 2008.

Assomasul

06 de Janeiro de 2017 - 17:00

Enquanto o setor turístico comemora a tendência de crescimento com os feriados nacionais e três pontos facultativos previstos para 2017, a indústria estima perdas. Um levantamento da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) indica que o impacto pode ser de até R$ 66,8 bilhões, o que representa 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB) industrial do País. O estudo Custo Econômico dos Feriados Federais para a Indústria sinaliza que esse porcentual é o maior desde 2008.

Além dos feriados e dos pontos facultativos divulgada pelo governo, que não contabiliza a quarta-feira de Cinzas e o Dia do Servidor Público, ainda há mais de 40 feriados estaduais e milhares de municipais durante o ano. Em 2017, dos 12 feriados, apenas um será no fim de semana.

Segundo a Firjan, o governo também sofrerá impactos, tendo em vista que há a queda de arrecadação tributária. Com isso, pode deixar de recolher R$ 27,6 bilhões este ano, o equivalente a R$ 2,5 bilhões a cada feriado nacional, considerando os tributos federais, estaduais e municipais.

Para a entidade, uma solução para amenizar esses impactos seria preservar o número de dias úteis. Para tanto, a Federação propõe alterar as datas dos feriados que caem no meio da semana para segunda ou sexta-feira e, nos casos em que houver mais de um recesso no mês, as datas sejam mudadas para ocorrerem no mesmo dia.

Turismo

Ao tempo em que a indústria se preocupa com os impactos decorrentes dos feriados, o setor de turismo prevê um crescimento de 5% a 6%, de acordo com estimativa da Associação Brasileira de Agências de Viagens de São Paulo (Abav-SP). De acordo com uma estimativa do Ministério do Turismo, a movimentação deve ser de R$ 20 bilhões nos feriados, com exceção do Carnaval, Natal e réveillon.