Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 29 de Novembro de 2021

Sidrolandia

FETEMS entrega documento para o ministro da educação

De acordo com o presidente da FETEMS o movimento sindical está preocupado com os rumos que têm tomado duas políticas públicas de caráter estruturante para a educação pública brasileira

Assessoria

05 de Outubro de 2013 - 07:20

A FETEMS (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul) participou, nesta sexta-feira (4), na Assembleia Legislativa de MS, de uma Audiência Pública com o ministro da educação, Aloísio Mercadante. Na ocasião o presidente da Federação, Roberto Magno Botareli Cesar, entregou para ele uma carta contendo reivindicações do movimento sindical da educação pública brasileira.

De acordo com o presidente da FETEMS o movimento sindical está preocupado com os rumos que têm tomado duas políticas públicas de caráter estruturante para a educação pública brasileira. “Nessa carta levantamos estes dois pontos preocupantes, o primeiro refere-se ao Plano Nacional de Educação (PNE), que há três anos está parado, aguardando votação no Congresso Nacional, agora sofre retrocessos em seu texto e a segunda diz respeito à mudança do critério de atualização do piso salarial nacional do magistério, proposta pelos governadores de estados, a qual não dialoga com o nível de valorização salarial pretendido por nós e expressado na meta 17 do PNE”, explica.

Roberto Botareli ainda teve a oportunidade de se encontrar com o ministro reservadamente e debater estas questões e segundo ele o diálogo foi bom. “O diálogo com o ministro foi bom e tenho certeza que cumprimos o nosso papel de reforçar a nossa constante batalha pelo Ensino Público brasileiro”, afirma.

Em sua fala, após receber o documento, Aloísio Mercadante, ressaltou que o movimento sindical da educação pública brasileira, representado por entidades como a FETEMS e a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), é grande parceiro do Governo na construção de uma educação pública de qualidade e igualitária.

“O movimento sindical da educação, representado pela CNTE, é nosso grande parceiro nos debates sobre o ensino público, nossas decisões não podem ser tomadas sem antes ouvir a opinião valorosa destes companheiros, pois o Governo Federal acredita que os avanços só são possíveis quando a política é democrática e debatida com a sociedade organizada”, disse.

Sobre os pontos apresentados no documento da FETEMS o ministro da educação afirmou que as mudanças só serão possíveis, através de muito diálogo. “Concordo em muitos pontos com a CNTE em relação ao texto do Plano Nacional de Educação, porém ele está no Congresso Nacional para ser validado, estamos acompanhando os processos de votação para vermos o que é possível ser feito. Em relação ao reajuste da lei do piso salarial nacional acreditamos que deva haver um acordo entre o movimento sindical da educação e os governadores, para que haja um grande entendimento em torno de uma proposta única e é nesse caminho que estamos investindo”, ressalta.