Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 30 de Novembro de 2021

Sidrolandia

Figueiró comanda audiência no Senado sobre segurança na fronteira

A reunião, marcada para 9h, foi solicitada pelo senador Ruben Figueiró que se sensibilizou com a reivindicação da Federação Nacional dos Servidores da Polícia Rodoviária Federal.

DE BRASILIA

05 de Outubro de 2013 - 09:52

As Comissões de Desenvolvimento Regional e Turismo e de Relações Exteriores do Senado promovem na quarta-feira (9) audiência pública sobre a segurança na fronteira e o combate ao tráfico de drogas, armas, ao descaminho e ao contrabando.

A reunião, marcada para 9h, foi solicitada pelo senador Ruben Figueiró (PSDB-MS) que se sensibilizou com a reivindicação da Federação Nacional dos Servidores da Polícia Rodoviária Federal.

Foram convidados para a audiência um representante do Ministério da Defesa; o Secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Freitas Barreto; o Diretor-Geral da Polícia Federal, Leandro Laiello Coimbra; a Diretora-Geral da Polícia Rodoviária Federal, Maria Alice Nascimento Souza; e o Secretário de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, Wantuir Jacini.

Figueiró ressaltou que é solidário à preocupação dos policiais rodoviários federais em relação à precariedade de estrutura oferecida pelo governo federal para garantir o combate ao tráfico de drogas na extensa fronteira de 16 mil quilômetros do Brasil com os países vizinhos da América do Sul.

“No Mato Grosso do Sul a carência estrutural é alarmante: faltam profissionais, instalações adequadas, condições mínimas de trabalho, sem falar na remuneração aquém do custo de vida local”, disse Figueiró.

O senador tucano ainda ressaltou que decidiu solicitar a audiência pública com todos aqueles órgãos para promover um amplo debate sobre as dificuldades e as saídas para que o Brasil possa melhorar o combate à criminalidade na fronteira, respeitando o profissional que está na linha de frente, com estrutura básica adequada e remuneração justa.

Sem fiscalização

Pelo menos 400 quilômetros de fronteira estão livres entre um posto e outro de fiscalização na região Centro-Oeste é o que indica pesquisa da CNM (Confederação Nacional dos Municípios), que elaborou relatório denunciando a precariedade da estrutura de combate ao tráfico de drogas na região de fronteira com o Paraguai e a Bolívia.

De acordo com a pesquisa, 76% das cidades fronteiriças de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul estão na rota do tráfico. 25 municípios sul-mato-grossenses estão em estado de alerta pela disseminação do crack, da cocaína e da maconha. Apenas seis cidades declararam ter postos da Polícia Federal, dez da Polícia Rodoviária Federal e três de Alfândega.

Jorge Caldas, presidente do Sinpef/MS (Sindicato dos Policiais Federais) indica que a falta de estrutura e as mínimas condições de trabalho dos agentes dificulta a atuação nas faixas de fronteira.