Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 8 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Funai confirma reunião em Brasília dia 7 e fazendeiros dizem que nem foram avisados

Enquanto isso, o dono da Fazenda Buriti, em Sidrolândia, Ricardo Bacha, afirma que não foi avisado de reunião nenhuma e que está muito preocupado.

Midiamax

05 de Agosto de 2013 - 13:19

A Fundação Nacional do Índio (Funai) regional em Campo Grande confirmou que a reunião entre o Ministério da Justiça, indígenas e proprietários rurais, para enfim conhecerem a solução proposta pela União para os conflitos, foi confirmada para o dia 7 de agosto. Nem o horário, nem o local foram definidos, porém foi confirmado que será em Brasília.

O líder indígena Terena, Lindomar Terena, disse que não sabe o porquê da reunião que seria nesta segunda-feira (5) ter sido adiada, mas tem esperança de que a Aldeia Buriti seja ampliada com a posse da terra da Fazenda Buriti aos indígenas. “Depois dessa reunião de quarta-feira (7) tem que resolver, se não resolver vamos continuar lá”, disse Lindomar.

Enquanto isso, o dono da Fazenda Buriti, em Sidrolândia, Ricardo Bacha, afirma que não foi avisado de reunião nenhuma e que está muito preocupado. “Já vieram três ministros do Estado na Capital. Fizeram compromisso em nome da presidenta Dilma [Rousseff] que até dia 5 de agosto estariam com valor para ofertar aos proprietários para compra da terra e agora cancelam”, afirmou.

Bacha afirma que não venderá só a sua terra, mas sim a União temq eu resolver sobre todas as propriedades envolvidas em conflito no Estado. “Ou devolvem as terras ou pagam à vista e em dinheiro. Fora isso é esbulho e desrespeito. Estamos correndo risco com a morosidade e burocracia. A União tem que encarar aqui como uma exceção, porque já morreu gente e infelizmente vai morrer mais”, destacou.

Para o advogado de 31 proprietários rurais com fazendas em situação de conflito no Estado, Newley Amarillia, a promessa da União de resolver tudo até esta segunda e desmarcar mostra ainda mais a negligência por parte do Governo Federal.

“Estamos completamente alheios e muito preocupados. Foi criado um grupo de trabalho para dizer o valor da terra, mas a própria União boicotou essa ideia. Ou seja, um ministro fala uma coisa e outro ministro fala outra. Estamos esperando”, afirmou.

Segundo o presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul (Acrissul), Chico Maia, também não foi enviada nenhuma informação sobre a troca da reunião para quarta-feira (7).

“Não recebemos nada sobre a reunião e também nem sabemos se vai enfim resolver. Eles têm que fazer uma proposta, por que a Funai quer o Estado inteiro, mas quem paga a conta? Isso mexe com o setor produtivo inteiro”, concluiu.