Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 27 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Funai discute com PF estratégia para entrar em fazenda trancada por produtor

Em decisões anteriores, a Justiça negou reintegração de posse pedida pelo proprietário e estipulou o espaço de 1 hectare para a estadia dos índios.

Campo Grande News

04 de Julho de 2013 - 10:43

Equipes da Funai (Fundação Nacional do Índio), da Polícia Federal e da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena) devem se reunir ainda nesta quinta-feira (4) para definir como será a entrada na fazenda Cambará, localizada em Iguatemi e ocupada por cerca de 300 índios desde agosto de 2011.

Uma decisão da desembargadora federal Cecília Mello, do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª região), divulgada ontem (3) pelo MPF-MS (Ministério Público Federal), afirma que o fazendeiro dono da propriedade deve liberar o acesso das entidades aos índios da etnia Guarani-Kaiowa.

O pedido do MPF surgiu desde 2011 quando os índios ocuparam 1 hectare da propriedade e a Funai não pôde ter acesso aos indígenas. Duas decisões semelhantes para que o fazendeiro liberasse o acesso foram expedidas em outubro de 2012 e março deste ano. Porém, o produtor não obedeceu as decisões.

O coordenador da Funai em Ponta Porã, Silvio Raimundo da Silva, disse ao Campo Grande News que equipes do órgão e da Sesai fizeram várias tentativas para ter acesso aos índios. “Tivemos muitas dificuldades e não éramos autorizados a entrar na Cambará. Na porteira eles já nos barravam”, afirma o coordenador.

Com a nova decisão da Justiça, Silvio afirma que irá se reunir com o delegado da sede da Polícia Federal em Naviraí e com representantes da Sesai para definir como será a ação na fazenda. “Dessa vez nós esperamos que a decisão seja cumprida. Quero acreditar que a gente consiga, já que hoje houve uma reafirmação do próprio tribunal”, explica Raimundo.

Conforme a Funai, 65 famílias, cerca de 300 indígenas, vivem na propriedade desde a invasão. Em decisões anteriores, a Justiça negou reintegração de posse pedida pelo proprietário e estipulou o espaço de 1 hectare para a estadia dos índios.

Ocupação – Desde novembro de 2011, os indígenas ocupam área de 1 hectare da Fazenda Cambará. Eles se refugiaram no local, situado do outro lado do Rio Hovy, depois de ataque de pistoleiros ao acampamento montado por eles em estrada vicinal da região, em agosto do mesmo ano.

A situação dos Guarani teve destaque em todo o país quando os índios divulgaram uma carta em que se declaravam dispostos a morrer em vez de deixar as terras. Na época, a comunidade havia sido notificada do despejo pela Justiça Federal do Mato Grosso do Sul.