Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 8 de Maio de 2021

Sidrolandia

Governo analisa se pedirá ajuda das Forças Armadas nos presídios de MS

Se comparados os dados de 2015 com os do ano passado, também houve aumento de 36% nos casos.

Campo Grande News

17 de Janeiro de 2017 - 16:12

Autoridades do sistema penitenciário e da segurança pública de Mato Grosso do Sul ainda analisam a possibilidade de solicitar o apoio das Forças Armadas para controlar a situação dentro dos presídios do Estado.

Nesta terça-feira (17), o Governo Federal autorizou a atuação das Forças Armadas nos presídios para fazer inspeção de materiais considerados proibidos e reforçar a segurança nas unidades. O anúncio foi feito depois de reunião entre o presidente Michel Temer e autoridades de todos os órgãos de segurança e instituições militares do governo federal para discutir estratégias de segurança pública.

De acordo com o diretor-presidente da Agepen (Agência de Administração do Sistema Penitenciário), o Estado ainda estuda a possibilidade de solicitar o apoio. “Por enquanto não há indicativo, mas estamos avaliando”, disse.

Guerra - Nesta segunda-feira (16), o Campo Grande News revelou que o número de mortes nos presídios do Estado quadruplicou neste ano. Enquanto que em 2016, foi registrada uma morte a cada duas semanas, este ano já foram quatro no mesmo período.

Se comparados os dados de 2015 com os do ano passado, também houve aumento de 36% nos casos. Enquanto que em 2015 foram registradas 14 mortes violentas – sendo três consideradas suicídios –, no ano passado houve o registro de 22 casos.

Com este resultado, Mato Grosso do Sul aparece em 7º lugar no ranking dos estados como mais mortes violentas em presídios no país. O primeiro é o Ceará, no Nordeste, com 50 casos.

Em todos os estados do Brasil, a maioria das mortes ocorridas no ano passado e neste ano, são por conta da guerra entre facções. Em MS não é diferente. Em agosto, dois presos foram mortos após uma rebelião no presídio de Segurança Máxima de Naviraí - cidade localizada a 366 km de Campo Grande.

Luiz Fabiano Bezerra, 36, o “Zorba”, e Fernando Florentino da Silva, também de 36 anos, foram executados por companheiros de cela. O motivo seria uma disputa de facções pelo domínio do crime organizado na região sul do Estado. No caso, a briga já conhecida entre o grupo paulista PCC (Primeiro Comando da Capital) e os cariocas do CV (Comando Vermelho).

Este ano, duas, das quatro mortes que ocorreram no Estado foram na penitenciária de Segurança Máxima de Campo Grande, uma em Dourados - investigada como suicídio - e a quarta em Naviraí. Uma quarta foi em Naviraí, e o motivo também seria a guerra entre facções.

Condição - Para contar com a presença das Forças Armadas e controlar esta situação, o Estado deverá formalizar um pedido ao Governo Federal. A partir desta solicitação, o presidente Michel Temer (PMDB), assinará um decreto de GLO (Garantia da Lei e da Ordem), autorizando ou não a vinda dos militares para Mato Grosso do Sul.

Segundo o governo, apesar do trabalho dos militares enviados pelo Ministério da Defesa, a segurança interna nos presídios continua sob responsabilidade dos agentes penitenciários e policiais.

“Haverá inspeções rotineiras nos presídios com vistas a detecção e apreensão de materiais proibidos naquelas instalações. Essa operação visa restaurar a normalidade e os padrões básicos de segurança nos estabelecimentos carcerários brasileiros”, disse o porta-voz da presidência, Alexandre Parola.

A cooperação entre os entes locais e federais no combate ao crime organizado e na modernização dos presídios é um dos alvos do Plano Nacional de Segurança, lançado pelo governo federal há dez dias. 

O Campo Grande News tentou contato com o CMO (Comando Militar do Oeste), questionando as condições das Forças Armadas locais para atender possível pedido de apoio do Governo Estadual, mas até o fechamento deste texto não houve resposta.