Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 12 de Maio de 2021

Sidrolandia

Governo não libera verba e Assentamento São Pedro pode perder trator e implementos

Este recurso seria usado na compra de um trator e implementos agrícolas (carreta agrícola e uma calcareadeira) para ser usados de forma comunitária.

Flávio Paes/Região News

30 de Novembro de 2016 - 14:50

Se em pouco mais de um mês o Ministério do Desenvolvimento Agrário não liberar os recursos, um grupo de 40 produtores de leite do Assentamento São Pedro perderão o trator e alguns implementos, que conseguiram viabilizar há dois anos graças a uma emenda parlamentar. Em 2014 houve o empenho de R$ 191.100,00 por MDA, com contrapartida de R$ 3.900,00 da Prefeitura. Este recurso seria usado na compra de um trator e implementos agrícolas (carreta agrícola e uma calcareadeira) para ser usados de forma comunitária. 

Termina no próximo dia 31 de dezembro, o prazo para entrega dos equipamentos que já foi licitado duas vezes, mas não houve entrega porque a Caixa não fez o pagamento. O termo de compromisso foi firmado inicialmente em janeiro de 2014 e renovado um ano depois, em 2015 até o final deste ano.

Segundo o vereador Sérgio Bolzan, findo este prazo, o empenho será cancelado e o recurso perdido. “A Caixa Econômica não explica exatamente porque o dinheiro é disponibilizado para pagar a empresa que venceu a licitação, feita duas vezes, para atender exigências burocráticas. Pelo visto, o problema é falta de recursos, por parte do Ministério”, comenta.

Nesta semana o vereador eleitor Jean Nazareth, acompanhou o futuro prefeito Marcelo Ascoli, numa reunião com os deputados federais petistas Jean Nazareth e Vander Loubet, que se comprometeram a preservar estes recursos em restos a pagar do Orçamento da União em 2017.

De acordo com o presidente da Associação dos Produtores do São Pedro, Anúncio Cabanhas, o trator e os implementos agrícolas garantiriam o plantio de milho destinado à preparação de silagem a ser usado na alimentação do gado leiteiro durante o período de seca, quando a produção das vacas caiu porque a pastagem fica comprometida. “Hoje o custo da produzir silagem, com o aluguel do trator, é muito alto. Não é viável comprar ração. Hoje, neste período quando o preço melhora com a queda na oferta de leite na entressafra, o produtor acaba não sendo beneficiado porque não tem produto para entregar”, explica.