Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 18 de Maio de 2021

Sidrolandia

Gratuidade do transporte será limitada e alunos excedentes vão ratear custos

Numa conta simples, tomando como base um custo per capita mensal de R$ 310,00, a verba de R$ 100 mil custearia o transporte de 322 alunos

Flávio Paes/Região News

05 de Fevereiro de 2017 - 21:49

Com a prorrogação da inscrição até às 17 horas desta segunda-feira, com previsão da relação definitiva dos beneficiados ser divulgada na próxima quinta-feira, a Prefeitura ainda não anunciou como será rateado a subvenção mensal de R$ 100 mil para custear o transporte universitário.

Nem os 356 selecionados na primeira etapa do processo, relação divulgada semana passada, garantiram à gratuidade, embora tenham apresentado declaração de renda familiar de até três salários, conforme a lei do subsídio.

Numa conta simples, tomando como base um custo per capita mensal de R$ 310,00, a verba de R$ 100 mil custearia o transporte de 322 alunos, desta relação 34 ficariam de fora, sem contar os 153 que entregaram a ficha sócio- econômica mas foram excluídos pela comissão mista (com participação de alunos e de um representante da Câmara), por não terem o perfil previsto na lei.

Uma alternativa em avaliação é restringir a gratuidade a aqueles com menor renda, mas falta definir (porque a lei prevê isto) o critério para definir quem de fato não tem como pagar nada pelo transporte. O presidente da Câmara, Jean Nazareth, acredita numa solução capaz de garantir o atendimento de um maior número possível de pessoas, apesar do corte de 37,5% nos repasses (de R$ 160 para R$ 100 mil).

Imaginando-se, por exemplo, que 200 alunos tenham a gratuidade, comprometerá R$ 62 mil da subvenção, restarão R$ 38 mil para serem rateados, por exemplo, se houver 300 remanescentes, eles terão de bancar R$ 55 mil, R$ 183,00 por estudante.

Outra dificuldade é encontrar uma empresa disposta a prestar o serviço, depois das turbulências do ano passado, quando a Prefeitura teve de descredenciar a Associação dos Estudantes Campesinos, depois de não ter prestado conta de R$ 400 mil repassados à entidade.

A Vanzella, que detinha a maior frota, dispensou os motoristas contratados para trabalhar na cidade. A Transportes Guimarães cobra na Justiça o recebimento de R$ 212 mil da entidade, cujo vice-presidente, Daniel Flores Bueno, faz parte da comissão, representando os alunos, que definirá a relação dos estudantes a serem beneficiados com o a subvenção do transporte.