Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 22 de Julho de 2024

Sidrolandia

Há 2 meses sem chover, agricultura de Rio Preto, SP, sofre com a seca

G1

11 de Setembro de 2012 - 16:00

asto seco, terra trincada, árvores mortas e muita poeira. A paisagem no campo mudou com o tempo seco. Na ausência do capim, o gado fica muito magro e a sombra é disputada pelos animais, consequências de quase dois meses sem chuva em São José do Rio Preto (SP).

Por causa deste clima, alguns produtores rurais buscam alternativas para diminuir os prejuízos. No sítio do produtor Salvador Aparecido Sangaletti, que cria vacas leiteiras, o capim está seco. Por isso, ele tem que gastar outro alimento para os animais. “Compro e faço uma mistura casca de semente de algodão, ração e água, para render mais. Estamos na luta, pois não tem pasto”, explica Sangaletti.

 

Mesmo assim, a alimentação não é suficiente, e as vacas produzem menos leite. “Estamos perdendo cerca de 30% da produção e fechando no vermelho”, reclama Sangaletti.

O produtor Luiz Carlos Marques Reis criava gado de corte, mas vendeu os animais porque a produção não estava compensando. A estiagem castigou tanto a propriedade que para manter os peixes no açude ele precisa usar água do poço artesiano.

Na maioria das cidades do noroeste paulista a umidade relativa do ar está abaixo dos 20%. O estado é de alerta. No mês passado não caiu uma gota d 'água. Já em agosto de 2011, choveu 26 milímetros, o que aliviou um pouco a seca. A esperança é que a chuva venha em setembro.