Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 28 de Outubro de 2020

Sidrolandia

Halo em volta do sol dá o recado: calor vai continuar

A explicação é do meteorologista Natálio Abrahão. “Ocorre quando raios de sol refletem nas nuvens cirrus que são totalmente de gelo e dissociam as cores do arco-íris”.

Campo Grande News

19 de Novembro de 2012 - 13:12

Quem olhou para o sol na manhã desta segunda-feira viu o que parece ser um contorno colorido, como se fosse um arco-íris em círculo.

“Eu senti uma diferença, não está tão forte como costuma. Hoje amanheceu com tem pó de chuva, mas ao mesmo tempo não”, disse a auxiliar administrativa Anny Kelly Araújo, 22 anos.

Na curiosidade da pergunta, a caixa Karina Taynara Barbosa, 18 anos, saiu para ver o que era. Com o reflexo, os olhos incomodaram a ponto do círculo não ser notado. “Não dá pra ver, mas eu fiquei curiosa”.

O fenômeno tem explicação da meteorologia e nome específico. Chama ‘halo’ e se forma devido ao fenômeno fotometeorológico, que ocorre quando os raios de sol refletem em nuvens que estão nas alturas, acima de 10 mil metros.

A explicação é do meteorologista Natálio Abrahão. “Ocorre quando raios de sol refletem nas nuvens cirrus que são totalmente de gelo e dissociam as cores do arco-íris”.

O resultado pode ser visto tanto durante o dia, como a noite. “Dependendo da incidência, sempre quando surgir a presença dessas nuvens, os raios podem incidir na lua”, acrescenta.

Se tiver lua hoje, as nuvens persistirem e o ângulo continuar nessa posição, o mesmo halo pode ser visto também na lua.

O fenômeno é difícil de ocorrer, não respeita critério de época, nem de tempo. É ditado conforme a posição das nuvens mais altas e extremamente frias. Mas ao contrários dos até 35 graus negativos que elas podem fazer, para quem olha do chão ao céu, ela sinaliza que não deve haver frio e nem queda de temperatura.

“Elas estão dizendo que as temperaturas não vão cair. Embaixo dela a massa de ar está bem aquecida. É a persistência dessas nuvens que faz com que haja esse fenômeno”, finaliza Abrahão.