Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 8 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Humanos têm mais empatia por cães maltratados do que por outros humanos

Depois que os participantes leram o artigo, os pesquisadores pediram que os mesmos qualificassem seu grau de empatia em relação à vítima.

Uol

10 de Agosto de 2013 - 10:38

As pessoas têm mais empatia pelos cães maltratados do que pelos humanos adultos, essa é uma das conclusões de um estudo divulgado neste sábado (10) na Reunião Anual da Associação Sociológica Americana. "Ao contrário do que se imagina, não é que necessariamente o sofrimento animal nos comova mais que o humano", explicou Jack Levin, professor de sociologia e criminologia da Universidade Northeastern e autor do estudo.

"Nossos resultados indicam uma situação muito mais complexa a respeito da idade e da espécie das vítimas, sendo a idade o componente mais importante", acrescentou.

"O fato é que as vítimas de crimes que são humanos adultos recebem menos empatia do que as crianças, os filhotes e os cães adultos que são vítimas de abuso ou crimes. Isso indica que os cachorros adultos são vistos como dependentes e vulneráveis, tais como seus filhotes e como as crianças", explicou Levin.

Em seu estudo, Levin e o coautor Arnold Arluke, outro professor da Universidade de Northeastern, consideraram as opiniões de 240 homens e mulheres, com idades entre 18 e 25 anos.

Na elaboração da pesquisa, os participantes receberam, ao acaso, quatro artigos fictícios sobre abusos de criança de um ano de idade, um adulto de 30 anos, um filhote e um cachorro de seis anos de idade. As histórias eram idênticas, exceto pela identificação da vítima.

Depois que os participantes leram o artigo, os pesquisadores pediram que os mesmos qualificassem seu grau de empatia em relação à vítima. "Nos surpreendeu a interação de idade e espécie", indicou Levin em sua apresentação. "A idade parece ser mais relevante que a espécie quando se trata de obter empatia. Aparentemente, se considera que os humanos adultos são capazes de se proteger, enquanto os cachorros adultos são vistos como filhotes maiores".

A diferença entre a empatia despertada pelas crianças e pelos filhotes de cachorro foi insignificante estatisticamente. Apesar do estudo ter se baseado na relação entre humanos e cachorros, Levin acredita que as conclusões seriam similares no caso de gatos. "Cachorros e gatos são animais de estimação e costumam fazem parte da família. São animais aos quais muitas pessoas atribuem características humanas", concluiu.