Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 17 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Incêndio destrói 15 toneladas de resíduos sólidos em Dourados

Cerca de 30 pessoas, entre crianças, agentes ecológicos e servidores municipais, estavam no local, segundo site Dourados News.

Campo Grande News

16 de Agosto de 2013 - 15:00

Um incêndio na sede da Agecold (Associação dos Agentes Ecológicos de Dourados), na manhã de hoje (16) destruiu 15 toneladas de resíduos sólidos. Uma pessoa passou mal depois de inalar a fumaça e foi encaminhada ao Hospital da Vida.

Cerca de 30 pessoas, entre crianças, agentes ecológicos e servidores municipais, estavam no local, segundo site Dourados News. As crianças, que participavam de um projeto social, foram retiradas às pressas da sede.

O fogo tomou conta da parte exterior da associação. A coordenadora do projeto ‘Recolhe e Recicla’ da entidade, Ivete Pedroso, lembra que o incêndio começou no Parque Arnulpho Fioravanti, por volta das 9h30. Rapidamente as labaredas se espalharam até chegar a uma pilha de objetos de madeira, garrafas de vidro, plásticos e eletrônicos.

“Foi muito rápido. O fogo começou na mata seca e como o vento estava bastante forte, em menos de 15 minutos se espalhou e começou a destruir os objetos de fora do barracão”, disse.

Os motivos do incêndio ainda estão sendo investigados, mas para o diretor de Fiscalização e Arborização do Iman (Instituto Municipal do Meio Ambiente), Nelson Almeida, as causas podem ter sido intensionais. “Não sabemos ainda os motivos, mas não descartamos que alguém tenha ateado fogo na mata”, comentou.

Dois caminhões pipas foram usados no combate ao incêndio. Ao lado do local do incêndio, um barracão com mais de 200 toneladas de produtos altamente inflamáveis, selecionados para reciclagem não foram atingidos. Segundo Ivete, o estrago poderia ter sido ainda maior se o fogo tivesse se alastrado.

“No barracão existem em torno de 130 toneladas apenas de papel e papelão, fora garrafas pet, plásticos, isopores e outros produtos que selecionamos. Se chegasse ali, o estrago seria grande e consumiria tudo em poucos minutos”, contou.