Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 8 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Índios bloqueiam rodovia e pedem agilidade no processo de demarcação

A via é a única de acesso pavimentado que liga a cidade da fronteira com o Paraguai com o resto do Brasil

A Gazeta News

27 de Agosto de 2013 - 13:00

Indígenas bloquearam o trecho da MS-295, que liga Paranhos a MS-156, entre Amambai e Tacuru, na manhã desta terça-feira (29). O grupo reivindica agilidade no processo de demarcação das terras guarani-kaiowá e a indenização dos produtores rurais que hoje ocupam as áreas.

Segundo informações, a manifestação segue pacífica e os índios exigem a presença de representantes da FUNAI (Fundação Nacional do Índio), para liberarem a pista. A via é a única de acesso pavimentado que liga a cidade da fronteira com o Paraguai com o resto do Brasil.

Solução - No último dia 13, o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) identificou 17 mil hectares de terras do poder público estadual que poderão ser destinadas para solucionar o conflito indígena em Mato Grosso do Sul.

A informação foi repassada ao Campo Grande News, pelo presidente nacional do órgão, Carlos Mário Guedes de Guedes, que participou de reunião do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, com produtores rurais e índios, em Campo Grande.

Guedes disse que a assessoria jurídica do órgão estuda a melhor alternativa para viabilizar a desapropriação das áreas. Ele disse que está analisando quais as áreas podem ser utilizadas no cultivo de lavouras. Já o governador afirmou que não existe terras do poder público estadual disponível para a reforma agrária ou ser destinada aos índios.

Ele explicou que as áreas podem ser os imóveis doados há 30 anos para a reforma agrária para o Incra. Puccinelli disse que se houver as terras, o pagamento pode ser feito por meio de TDA (Título da Dívida Agrária).

O Governo estadual está disposto a realizar a conversão dos títulos por dinheiro e utiliza-lo no pagamento das indenizações dos produtores rurais. Ele voltou a frisar que o Estado não tem dinheiro para destinar ao pagamento das indenizações.