Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Índios de Aquidauana cobram distribuição de cestas básicas

É o caso do charque, que caiu de dois para um quilo, e do fubá, que também teve redução

MS Noticias

21 de Fevereiro de 2011 - 15:37

Indígenas das sete aldeias situadas no município de Aquidauana estão há seis meses sem receber as cestas de alimentos, denunciaram hoje (21) lideranças da Aldeia Água Branca, onde vivem 280 famílias. Eles vieram a Campo Grande pedir a ajuda do deputado estadual Felipe Orro (PDT) a fim de regularizar a distribuição das cestas. Eles entregaram uma carta ao deputado onde relatam o problema.

Segundo o presidente do Conselho Tribal da Aldeia Água Branca, Salu José da Silva, a última entrega aconteceu em outubro, logo após as eleições. Depois disso, só em dezembro o governo do Estado voltou a distribuir alimentos para os indígenas, e ainda assim após interferência do Ministério Público Federal.

Os indígenas dizem que procuraram as autoridades responsáveis, mas a explicação de sempre é que não há repasse de recursos do governo federal, e enquanto o convênio não for normalizado, a distribuição de alimentos continua suspensa.

“Tem muitas famílias que já começam a passar dificuldades, tem criança passando fome”, alerta Salu da Silva. O temor é que se repita a tragédia da desnutrição que na década passada matou dezenas de crianças indígenas em aldeias de Dourados, fato que chamou a atenção do mundo todo para o drama das populações indígenas de Mato Grosso do Sul.

As lideranças fizeram outra denúncia: muitos produto que integravam a cesta básica dos indígenas já não eram mais enviados ou a quantidade diminuiu. É o caso do charque, que caiu de dois para um quilo, e do fubá, que também teve redução. Já a sardinha em latas e a erva mate desapareceram da cesta, enquanto a farinha de trigo, nunca integrou a lista de produtos.

“O governador prometeu várias vezes não só regularizar a entrega, mas melhorar a cesta. Então queremos que inclua esses produtos. Só um quilo de charque não dá pra nada. E por que tirou a erva e a sardinha? Será que índio não tem direito a uma refeição decente?”, indaga o ex-cacique da Água Branca, Waldomiro Francisco.

O deputado Felipe Orro (PDT) disse que já estava ciente da situação e havia procurado o governo do Estado, cobrando urgência na distribuição das cestas. “Me disseram que até o fim do mês tudo estaria resolvido. Mas vou reforçar o pedido através de uma indicação pela Assembleia levando essa preocupação de vocês.”

Felipe Orro agradeceu às lideranças indígenas por confiarem o problema a ele e disse que seu gabinete está sempre de portas abertas.