Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 5 de Maio de 2021

Sidrolandia

Irmão suspeitos de matar dois e ferir outras 3 pessoas se entregam à polícia

Os rapazes entraram pelos fundos da delegacia, acompanhados dos advogados, Edgar Gomes e Wilson Godoy, por isso não foram fotografados.

Campo Grande News

08 de Novembro de 2016 - 15:37

Se apresentaram a pouco na 5ª delegacia de Polícia Civil de Campo Grande, dois irmãos de 19 e 21 anos, suspeitos de terem atirado contra um grupo de pessoas na noite do último domingo (6). O atentado ocorreu na Rua Corá, no Bairro Guanandi, e deixou dois mortos e três feridos.

Os rapazes entraram pelos fundos da delegacia, acompanhados dos advogados, Edgar Gomes e Wilson Godoy, por isso não foram fotografados. "Vamos preservar a imagem deles, por enquanto, até mesmo porque não há nenhum tipo de condenação fixada. De qualquer forma após o depoimento daremos mais informações sobre o caso", comentou um dos defensores.

Os dois irão prestar depoimento ao delegado João Reis Belo, responsável por investigar o caso. Há informações de que o atentado tenha sido motivado por conta de uma mulher, mas a polícia ainda não confirma o fato. Também não há confirmação se os dois irão continuar presos.

Atentado - O tiroteio aconteceu na rua Corá, logo atrás do quartel do Corpo de Bombeiros. O crime assustou moradores da região, e há relatos de que foram disparados até 20 tiros. Entre as vítimas, está o adolescente Alex Duarte Ferreira, de 17 anos, que foi baleado na cabeça e morreu enquanto era transportado pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

Já Mikael Vinícius Godoy Rolon, 22 anos, foi socorrido por outras pessoas e levado para o HR (Hospital Regional) Rosa Pedrossian em um veículo particular, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade de saúde.

Os disparos atingiram também um adolescente de 16 e um homem de 22 anos, que continuam internados. Um garoto de 13 anos foi atingido em um beco com uma coronhada durante a fuga do trio. Os dois mortos e um dos feridos possuem diversas passagens pela polícia, por crimes como tráfico de drogas, roubo e receptação.