Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 21 de Outubro de 2020

Sidrolandia

Justiça cassa Cida Alves por compra de votos por consultas médicas em Deodápolis

Caso a sentença do juiz André Luiz Monteiro seja mantida nas outras instâncias os votos da vereadora seriam anulados e sua vaga seria ocupada pelo vereador Marcio Teles

Flávio Paes/Região News

07 de Novembro de 2012 - 08:45

A vereadora Cida Alves (PSDB) que foi reeleita por 267 votos, teve o registro da sua candidatura cassado pelo juiz eleitoral André Luiz Monteiro e pode ficar fora da próxima legislatura, sendo substituída pelo vereador Marcio Teles (PSD).  O Judiciário comprovou a barganha em três moradores do Distrito Lagoa Bonita. 

O juiz acolheu a representação do Ministério Público que acusou a vereadora de comprar votos usando como moeda de troca consultas gratuitas em Dourados com o médico e deputado estadual George Takimoto (PSL).

O juiz não aceitou os argumentos dos advogados da vereadora. Eles tentaram desvincular a oferta do atendimento médico da compra de votos, com a justificativa de que as consultas foram agendadas em janeiro, mas só aconteceram no último dia 8 de setembro, em pleno período eleitoral, por problemas de agenda do deputado Takimoto.

A promotoria derrubou esta versão a partir das investigações da polícia que tomaram como base os depoimentos dos eleitores que barganharam seus votos pelo atendimento médico gratuito. Pelo que foi apurado, ficou demonstrado que a vereadora levou a Dourados os eleitores Edson Conceição Pereira e a prima dele, Ana Joselma Ferreira, para extração de verrugas.  

Uma terceira eleitora, Lenira Maria Vieira, também se comprometeu a votar na vereadora, após ela ter conseguido uma consulta para avaliação de um exame ortopédico.

A promessa foi cumprida no dia 8 de setembro, quando o marido da vereadora, Edson Paulino de Souza, levou os três eleitores em sua caminhonete S-10 até Dourados, onde foram atendidos pelo médico Takimoto.  No seu depoimento, Edson legou que se limitou a dar uma carona para as três pessoas, mas desconhecia que seriam atendidos pelo deputado.

Suplente

Caso a sentença do juiz André Luiz Monteiro seja mantida nas outras instâncias (Tribunal Regional Eleitoral e Tribunal Superior Eleitoral), os votos da vereadora seriam anulados e sua vaga seria ocupada pelo vereador Marcio Teles que não conseguiu se reeleger embora tenha sido mais bem votado que Cida, com seus  272 votos.