Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 3 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Justiça Federal manda implodir pista de pouso em assentamento

A Justiça Federal em Ponta Porã já deferiu várias liminares do Incra-MS em relação ao problema encontrado no Assentamento Caracol

Correio do Estado

29 de Julho de 2013 - 01:21

A pista de pouso e decolagem clandestina construída no Assentamento Caracol, em Bela Vista, será finalmente destruída. A Justiça Federal de Ponta Porã já autorizou a destruição da pista, construída às margens do Rio Apa, na divisa com o Paraguai. O procurador regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Antônio Augusto Ribeiro de Barros, reúne-se, hoje, com representantes da Polícia Federal e Justiça Federal para discutir a operação de retomada de oito lotes e a destruição da pista.

A Justiça Federal em Ponta Porã já deferiu várias liminares do Incra-MS em relação ao problema encontrado no Assentamento Caracol. No assentamento, técnicos do Incra encontraram seis lotes ocupados irregularmente por Urival de Oliveira Cornachini. Nestes lotes, o produtor cultivava soja e arroz. Além disso, o Incra tomou conhecimento de que o produtor havia avançado sobre a reserva ambiental do assentamento.Mas, o fato que mais chamou atenção dos técnicos foi a pista de pouso e decolagens, construídas às margens do Rio Apa, a poucos metros da fronteira com o Paraguai.

De acordo com o procurador regional do Incra, os problemas no Assentamento Caracol se arrastam há vários anos. Segundo ele, as primeiras ações que o órgão ajuizou deste caso são de 2006. A morosidade para a Justiça se manifestar, segundo Barros, deve-se à dificuldade de notificar Urival Cornachini e a mulher dele. “Era uma luta para intimá-lo. Por isso, a demora para uma decisão. Quando é assim, tem que intimar a pessoa e a mulher. Foi uma luta para conseguir fazer isso”, lembrou o procurador. A reportagem é de Patrícia Belarmino.