Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 31 de Outubro de 2020

Sidrolandia

Mãe de jovem morta na Espanha não tem R$ 45 mil para buscar corpo

De acordo com a mãe de Patrícia, a cozinheira Eva de Souza, 43, hoje (17) ela informaram-na sobre o valor do translado

Campo Grande News

17 de Janeiro de 2014 - 14:41

Com salário mínimo mensal, mãe de jovem que morreu na Espanha não tem dinheiro para pagar os R$ 45 mil do translado para trazer o corpo da filha. Patrícia Souza Leal, 28 anos, foi encontrada morta, debaixo do chuveiro, na casa onde morava na em Madrid.

De acordo com a mãe de Patrícia, a cozinheira Eva de Souza, 43, hoje (17) ela informaram-na sobre o valor do translado. “O consulado me passou esse valor hoje”, contradisse a mãe, sobre o valor divulgado nesta manhã.

Ela comentou que os amigos da filha suspeitam que o namorado dela, um dominicano, teria cometido o crime. Eva relatou que a cerca de um mês, por conta de uma traição dele, a filha teria pedido para acabar com o namoro, mas ele se negou.

Eva explicou que ainda não tem o dinheiro para trazer a filha, por isso pede doações e ajuda do consulado. “É uma mãe que pede, pois estou sofrendo muito. Estamos lutando, batalhando para que tudo seja resolvido. Só queria que ela fosse trazida para cá, porquê a toda a família dela está aqui”, comentou a mãe em prantos.

História – Patrícia morava em Madrid há cerca de oito anos, pois ela teria o sonho de construir uma loja de roupas em Dourados, há 233 quilômetros de Campo Grande. Ela começou trabalhando em uma loja de sapatos, em Madrid, mas o salário era baixo, então começou a trabalhar de babá. Atualmente ela cuidava de duas crianças.

Segundo a mãe, Patrícia já tinha parte do dinheiro para montar a loja e tinha planos para voltar ao Brasil em 2015. A cozinheira afirmou que a filha era uma mulher “muito trabalhadora e se dava bem com todos”, ainda relatou que os amigos dela estão todos revoltados com a situação, pois muitas pessoas gostavam dela.

Caso – A babá foi encontrada na noite de quarta-feira (15), morta a facadas. O chefe de Patrícia estranhou a falta dela no trabalho, então ligou para um amigo dela, que foi até a sua casa e a embaixo do chuveiro, mas já estava morta.

Os amigos dela suspeitam do namorado, que tinha um relacionamento com ela há dois meses.