Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 29 de Novembro de 2021

Sidrolandia

Mães da Fronteira garantem apoio de Henrique Alves para implantação de Brasil mais Seguro em MS

O programa já lançado em algumas regiões do País abrange estratégias para reduzir os índices de criminalidade.

Flávio Paes/Região News

25 de Setembro de 2013 - 16:31

O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (PMDB-RN), ao receber nesta quarta-feira as dirigentes da ONG Mães da Fronteira, que estavam acompanhadas do deputado federal Fábio Trad (PMDB-MS), se comprometeu a fazer gestões junto ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para que seja implantado na fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai e a Bolívia o programa do Governo Federal,  Brasil Mais Seguro. O programa já lançado em algumas regiões do País abrange estratégias para reduzir os índices de criminalidade.

Na avaliação de Fábio Trad, os indicadores de violência da região fronteiriça sul-mato-grossense, justificam o fortalecimento das ações de segurança.  “Um estudo conduzido pelo pesquisador Alberto Jungen Wider, mostra que nos municípios da chamada faixa de fronteira, em Mato Grosso do Sul, o risco de que jovens de 15 a 25 anos sejam assassinados é 18% maior do que no restante do estado”.

 Fábio Trad explica que o programa prevê três eixos de atuação: a melhoria da investigação das mortes violentas; o fortalecimento do policiamento ostensivo e de proximidade (comunitário); e o controle de armas.  Está focado também na qualificação dos procedimentos investigativos e na maior cooperação e articulação entre as Instituições de Segurança Pública e o Sistema de Justiça Criminal (Poder Judiciário e Ministério Público). “Naturalmente que para que estes objetivos sejam alcançados serão necessários investimentos em reaparelhamento e reforço das forças policiais”, comenta o parlamentar. 

Além de acompanhar as Mães de Fronteira, na audiência com o presidente da Câmara, Henrique Alves, Fábio Trad vai acompanhar as dirigentes da ONG  em reuniões com o presidente do Senado Federal, Renan Calheiros; presidente em exercício Michel Temer e o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo.

Na pauta a reivindicação por mais segurança na fronteira e o apelo por  mudanças no código penal brasileiro com aplicação de penas mais duras e rígidas aos autores de crimes de maior crueldade e hediondos. O Movimento Mães da Fronteira foi criado por Lilian Silvestrini e Ângela Fernandes, mães dos estudantes Luigi Silvestrini de Araújo e Leonardo Batista Fernandes. Os jovens foram assassinados em 30/8/2012 por criminosos que pretendiam trocar o carro de uma das vítimas por 3 Kg cocaína.

O grupo iniciou um trabalho de identificar pessoas, informações e falhas do Estado objetivando mudanças reais e não apenas jurídicas no tocante a ausência de autonomia federativa nestes espaços geográficos de fronteira. O deputado Fábio Trad encampou o pedido do movimento e promoveu no último 05 de julho uma audiência pública na Câmara Federal para discutir a questão da segurança na fronteira. A Mães da Fronteira conseguiu coletar 32 mil assinaturas em Mato Grosso do Sul que será encaminhada à Comissão da Reforma do Código Penal, cobrando o fim da impunidade com penas para aplicação de penas duras aos autores de crimes hediondos.