Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 1 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Mamógrafo digital doado por japoneses reforça ação itinerante contra o câncer

Japoneses, representantes da empresa, estiveram na manhã de hoje (13) em Campo Grande para conhecer o ônibus.

Campo Grande News

13 de Agosto de 2013 - 14:30

O ônibus do Hospital do Câncer que realiza, em parceria com a Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul), atendimento oncologico no interior do Estado e também na Capital, deverá ser substituído até março de 2014 por uma unidade mais moderna.

Um aparelho digital de mamografia, doado pela empresa japonesa FujiFilm, é o grande destaque do novo ônibus, que já está em fase de construção. O mamógrafo custa R$ 600 mil e, por ser digital, dará agilidade ao atendimento que deve subir de 200 para 400 pacientes diários.

Japoneses, representantes da empresa, estiveram na manhã de hoje (13) em Campo Grande para conhecer o ônibus.

Segundo o médico oncologista Fabrício Colacino Silva, o aparelho  digital trará muitos benefícios para o trabalho desenvolvido.  “O tempo do exame de mamografia será reduzido. No tempo em que atendíamos um paciente, atenderemos três porque o equipamento é digital”, ressaltou.

A enfermeira responsável técnica do projeto, Mayara Rodrigues Mota, 28 anos, explica ainda que o novo ônibus terá elevador, gerador, além de equipamentos mais modernos. “Não terá mais a plataforma de escadas do lado de fora, além de internet wi-fi.

No ônibus, a equipe que conta com 12 profissionais, os usuários podem fazer preventivo de câncer de colo de útero, mamografia, preventivo de câncer de pele e exame clínico de mama. Cirurgias de pequeno e médio porte de câncer de pele também podem ser realizadas no ônibus.

O projeto que começou em outubro de 2011 já atendeu 10 mil pessoas e percorreu 50 municípios no Estado. As viagens pelo interior acontecem nos fins de semana, e de segunda a sexta-feira o ônibus atende pacientes da Capital.

“Apesar de deixar a família no fim de semana, é muito mais gratificante fazer esse trabalho. Prefiro viajar no ônibus do que dar plantão na cidade”, descreveu a enfermeira Janaína Paes, 37 anos.

Fabrício explica que o projeto tem o objetivo principal de fazer o diagnóstico precoce. “Esse é o maior objetivo”, frisa. Segundo Fabrício, a próxima cidade a receber a unidade é Costa Rica. “Tentamos estabelecer um ciclo e voltar nos municípios dentro de um prazo de um ano”.

Os agendamentos para o interior devem ser feitos por intermédio da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde). Já para os pacientes que moram em Campo Grande, as consultas podem ser marcadas no Hospital do Câncer.

“Os casos que são diagnosticados positivamente são encaminhados para tratamento no hospital”, explica Fabrício.

“Quando é descoberto precocemente o valor do tratamento é bem inferior. Um tratamento quando a doença está em estagio avançado pode chegar a R$100 mil. Quando é diagnosticada de forma precoce o valor é reduzido para R$ 10 mil”, diz Sonilza de Souza Lima, assessora da presidência para o interior da Cassems.

O novo ônibus conta com a parceria da empresa Marcopolo, além da Scania. Quando a unidade nova estiver em funcionamento o ônibus antigo ficará estacionado no pátio do HC para receber pacientes de Campo Grande. Posteriormente será disponibilizado para atendimento nas periferias da cidade.