Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 1 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

MEC divulga lista com 36 instituições que aderiram ao Revalida

Nenhum candidato com nacionalidade de países da Ásia, África ou América do Norte conseguiu passar na prova do MEC.

DE BRASILIA

30 de Setembro de 2013 - 15:09

O Ministério da Educação divulgou nesta segunda-feira, a lista das instituições de ensino superior que aderiram ao Programa de Revalidação de Diplomas de Médico obtidos no exterior (Revalida) para o ano de 2013. No total, 36 instituições aderiram ao programa.

O Nordeste registrou o maior número de universidades, com 12. Em seguida estão: Sudeste com 8, Sul com 7, Norte com 5 e Centro-oeste com 4. O Revalida é um exame nacional criado pelo Ministério de Educação que representa a porta de entrada tanto para estrangeiros quanto brasileiros que se formaram no exterior exercerem a medicina no Brasil.

Ele é uma exigência para que o diploma seja válido no país e foi criado em 2011 com o objetivo de unificar o processo de revalidação em consonância com as diretrizes curriculares nacionais dos cursos de medicina.

No final de agosto, a primeira fase da prova do Revalida teve abstenção de 10,7%. Dos 1.772 inscritos, 190 não compareceram, segundo o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). A prova foi aplicada em 10 cidades.

Veja a lista de instituições federais por região:

Norte

- Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

- Universidade Federal do Acre (UFAC)

- Universidade Federal de Roraima (UFRR)

- Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

- Universidade do Estado do Amazonas (UEA)

Nordeste

- Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

- Universidade Federal do Ceará (UFC)

- Universidade Federal do Piauí (UFPI)

- Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

- Universidade Federal da Bahia (UFBA)

- Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

- Universidade Federal de Sergipe (UFS)

- Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

- Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

- Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL)

- Universidade Estadual do Ceará (UECE)

- Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

Centro-Oeste

- Fundação Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

- Universidade Federal de Goiás (UFG)

- Universidade de Brasília (UNB)

- Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Sudeste

- Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

- Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

- Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

- Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

- Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

- Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

- Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

- Universidade de Taubaté (UNITAU)

Sul

- Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS)

- Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

- Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

- Universidade Federal do Paraná (UFPR)

- Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

- Universidade Estadual de Londrina (UEL)

- Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

- Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Sobre o exame

Segundo informações divulgadas no site do Inep, o exame cobra habilidades e competências das cinco grandes áreas da medicina: cirurgia; medicina de família e comunidade; pediatria; ginecologia-obstetrícia e clínica médica. Há níveis de desempenho esperados para as habilidades específicas de cada área.

O exame é aplicado em duas etapas: avaliação escrita, composta por uma prova objetiva, com questões de múltipla escolha, e uma prova discursiva. Numa segunda etapa, é realizada a avaliação de habilidades clínicas.

Pelo exame, enquanto o médico não for aprovado e não obtiver a revalidação do diploma pelas instituições do ensino público, ele fica impedido de atuar no país. Se um médico for reprovado no Revalida, ele pode se inscrever para fazer o exame do ano seguinte.

Na edição de 2012, 884 pessoas de várias partes do mundo se inscreveram para o Revalida, e apenas 77 (menos de 9%) conseguiram a aprovação no exame. O Brasil respondeu pela grande maioria dos inscritos (560), mas apenas 7% dos candidatos foram aprovados.

O país ficou na sexta colocação no ranking de índices de aprovação. Os países que obtiveram o maior êxito neste quesito foram Venezuela (27%) e Cuba (25%), apesar de o número absoluto de inscritos ter sido pequeno.

Nenhum candidato com nacionalidade de países da Ásia, África ou América do Norte conseguiu passar na prova do MEC.