Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 29 de Novembro de 2021

Sidrolandia

MEC vai lacrar com GPS todos os malotes de provas do Enem

Ano passado, o instrumento foi usado em 10 mil malotes, menos de um quarto do total. Na época, foi feito um contrato de R$ 3,7 milhões para o fornecimento dos lacres

DE BRASILIA

24 de Julho de 2013 - 07:30

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anunciou nesta terça-feira que todos os malotes de provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2013 receberão lacres com GPS para aumentar a segurança do exame.

Ao todo, 63,34 mil malotes serão distribuídos em 1.661 municípios do país neste ano. No ano passado, somente 10 mil dos 50 mil malotes foram lacrados e controlados pelo governo.

A prova que será realizada em 26 e 27 de outubro terá 7,173 milhões de participantes. O número de inscritos para a prova deste ano superou o recorde anterior, de 2012, que era de 5.971.290 candidatos.

O Inep já havia anunciado a intenção de colocar lacre em todas as provas. Os dispositivos eletrônicos registram o horário em que as provas são lacradas nos malotes na gráfica e, posteriormente, o horário que eles serão abertos no local de aplicação das provas.

Ano passado, o instrumento foi usado em 10 mil malotes, menos de um quarto do total. Na época, foi feito um contrato de R$ 3,7 milhões para o fornecimento dos lacres. O Ministério da Educação informou que ainda não sabe o custo do equipamento para todos os malotes.

Segundo Mercadante, o objetivo é ter "total segurança" sobre o exame. "A vantagem é que tem total segurança, do momento em que o malote é aberto. Garante o sigilo. Esse ano em todos os malotes há lacres e o coordenador local sabe o momento de abrir."

Redação

O governo informou que ampliou o número de corretores de redação e que o rigor será maior. "É um dos exames mais transparentes do planeta. E o que fizemos para essa redação foi dar mais segurança ainda para o estudante."

Ele explicou que, além dos dois corretores que já avaliavam a redação até o ano passado, a partir deste ano haverá um terceiro corretor quando houve discrepância e, caso ele não resolva, a redação será avaliada por uma banca de três corretores.

O maior rigor na correção das redações já havia sido divulgado pelo governo. Na edição do ano passado, foram registrados casos de deboches nos textos, como receita de miojo e hino do Palmeiras, além de erros em provas com nota máxima.

Mercadante informou que um guia com informações aos estudantes será divulgado na segunda quinzena de agosto.

Vaga na universidade

Criado em 1998, o Enem tem suas notas usadas no processo seletivo do Sisu (Sistema de Seleção Unificada), para vagas em universidades e institutos federais. O exame já tinha sido adotado em sua totalidade por várias universidades de destaque como a UFRJ e UFF, e nesta edição substituirá os vestibulares da UFMG, UnB, UFJF, Ufes e UFRN, entre outras.

O Enem também é usado para o candidato pedir bolsa de estudos pelo Prouni (Programa Universidade para Todos), solicitar benefícios do Programa de Fies (Financiamento Estudantil), e obter certificado de conclusão do ensino médio.

Também será usado nos programas de bolsa de estudos (Prouni) e de financiamento estudantil (Fies), entre outros programas do Ministério da Educação, como o Ciência sem Fronteiras.