Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 5 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Médicos pressionam e mantém remuneração mesmo com plantão de 6 horas na Unidade Central

Ou seja, o turno de trabalho cai de 12 (das 18 às 06 horas do dia seguinte) para 6 horas (das 18 horas até á meia-noite), mas a remuneração se mantém a mesma.

Flávio Paes/Região News

04 de Setembro de 2013 - 09:29

Os médicos que se revezam na escala do turno noturno na Unidade Central Acelino Roberto Ferreira que desde domingo passado, dia 1º de setembro está fechando durante a madrugada, vão continuar ganhando o valor integral do plantão que é de R$ 750,00 de segunda a sexta-feira e de R$ 850,00 aos sábados, domingos e feriados.

Ou seja, o turno de trabalho caiu de 12 (das 18 às 06 horas do dia seguinte) para 6 horas (das 18 horas até á meia-noite), mas a remuneração se mantém a mesma. Por conta desta decisão, a economia mensal com a diminuição do expediente no posto caiu de R$ 35 mil para R$ 28 mil, menos de um R$ 1 mil por dia. Em agosto, por exemplo, mês de 31 dias e com feriado (o da Padroeira) só o plantão médico custou R$ 22.550,00.

A proposta inicial da Prefeitura, segundo a informação transmitida aos conselheiros municipais de Saúde pela secretária Municipal de Saúde, Leila Couto, os médicos rejeitaram a proposta de reduzir o valor dos plantões que cairia pela metade (R$ 375,00 de segunda a sexta-feira e R$ 425,00 aos sábados, domingos e feriados) na mesma proporção da redução do expediente.

 O objetivo era que ao invés de um profissional houvesse dois médicos plantonistas das 18 a meia-noite, sem um custo extra,  exatamente para garantir maior rapidez no atendimento. Os profissionais avaliaram que seria desnecessário este reforço. Continuaria havendo só um médico plantonista que comprometeria a atender todos os pacientes, caso a remuneração fosse mantida.

Presente à reunião do Conselho Municipal de Saúde, o vereador Edno Ribas (PDT), colocou em dúvida a eficácia desta estratégia nos dias de maior por atendimento. “Alguém acredita que se às 23 horas ainda tiver na recepção 30 pacientes para serem atendidos o plantão vai se dispor a passar a meia-noite, sem ganhar nada? Vai mandar todo mundo de volta para casa ou simplesmente encaminhar direto  para o hospital?”. Edno lembra que o atendimento não envolve apenas o médico, mas também a enfermeira, o técnico de enfermagem, o funcionário da recepção. “Fora os médicos, os demais servidores também não terão redução no valor do plantão” indagou.