Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 1 de Março de 2021

Sidrolandia

Menina é internada em São Paulo após tomar vacina contra HPV

Não há comprovação de que a vacina tenha provocado os sintomas, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde

Correio do Estado

04 de Outubro de 2014 - 10:51

Uma menina de 11 anos foi internada em São Paulo com sintomas de fraqueza nas pernas e dificuldades para respirar após tomar a vacina contra o HPV. De acordo com a família, a garota começou a passar mal na última semana. Ela tomou a segunda dose da vacina em 16 de setembro.

Na quarta (1), após ter sido atendida em outro hospital, a menina foi transferida para a UTI do Hospital Municipal Carminio Caricchio. "Ela chegou com a respiração quase indo embora", conta a tia Regina de Fátima Alves, 49.

Não há comprovação de que a vacina tenha provocado os sintomas, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde. A Coordenação de Vigilância em Saúde investiga as causas do ocorrido.

Ainda de acordo com a pasta, este é o primeiro caso suspeito de reação à vacina registrado na cidade. No início de setembro, 11 meninas foram socorridas em Bertioga, no litoral paulista, após sentirem dormência nos braços e nas pernas. Elas foram liberadas dias depois. Na época, o Ministério da Saúde afirmou que uma síndrome de estresse pós-injeção pode ter causado os sintomas.

A vacina, administrada a meninas de 11 a 13 anos, tem como objetivo evitar o câncer de colo do útero –a terceira maior causa de morte de mulheres por câncer no país. Em nota, o Ministério da Saúde afirma que a vacina é segura e utilizada como estratégia de saúde pública em outros 51 países, sem registros de eventos adversos. Segundo a pasta, mais de 900 mil meninas já tomaram a segunda dose da vacina contra o HPV. Na primeira, 4,5 milhões foram imunizadas.